Después de escalar una montaña muy alta, descubrimos que hay muchas otras montañas por escalar

Nelson Mandela

Se encuentra usted aquí

Euskal Herriaren Lagunak

Centenas de pessoas em Otxandio no «ongi etorri» a Iñaki Pujana

ASEH-Lisboa - L, 02/23/2013 - 23:36
Depois de à sua chegada da prisão de Alicante (Países Catalães), pelas 8h30 da manhã, ter sido recebido por meia centena de conterrâneos, à tarde-noite cerca de 300 pessoas juntaram-se para o acompanhar num acto que começou em sua casa, de onde retirou um cartaz que se denunciava o seu «sequestro» desde que em 2006 lhe foi aplicada a chamada «doutrina Parot». Depois, deslocou-se até à sociedade recreativa e ao gaztetxe, onde retirou a sua foto [da parede]. Não faltaram o cava, o aurresku e as flores. (Gara)
Última sexta-feira do mês Como ontem era última sexta-feira do mês, ao fim da tarde houve inúmeras concentrações em defesa dos direitos dos presos um pouco por todo o território basco; nelas, reivindicou-se especialmente o fim da «pena perpétua» e da aplicação da doutrina 197/2006 do Supremo espanhol, conhecida como «doutrina Parot» [ler aqui o texto do Herrira: eus / cas]. (herrira.org)
Em Gasteiz, realizou-se também uma concentração ao fim da manhã, frente à Câmara Municipal, onde estava a ser debatida e votada uma moção contra a doutrina Parot. Para desgosto do presidente da edilidade, a moção viria a ser aprovada, e Ane Zelaia, membro do Herrira presente na concentração, sublinhou o carácter positivo da decisão. «Pensamos que é preciso dar passos no sentido de denunciar a violação dos direitos. A nós cabe-nos a activação popular; para tal, vamos realizar diversas mobilizações até 20 de Março», afirmou. (Gara)
Ainda no âmbito das mobilizações da última sexta-feira do mês, o Herrira realizou uma concentração frente ao Tribunal de Iruñea, ao meio-dia, contra a doutrina197/2006 e para exigir a libertação de presa Inés del Río. Tal como em Gasteiz, anunciaram novas iniciativas e fizeram um apelo à mobilização. (ateakireki.com)
Foi libertado o preso político basco Asier Tapia Asier Tapia, donostiarra do bairro de Amara detido pela Polícia francesa em Outubro de 2007 quando seguia de automóvel entre Biriatu e Hendaia (Lapurdi) foi hoje libertado, segundo divulgou o Hirutxuloko Hitza. Foi imputado no âmbito do caso «Jarrai-Haika-Segi» pelo juiz-mago Baltasar, da AN espanhola. Asier encontrava-se agora no cárcere andaluz de Huelva. / Fonte: naiz.info

Timoleón Jiménez: «Salvemos la paz, Santos»

ASEH-Lisboa - L, 02/23/2013 - 23:35
[Carta aberta do comandante das FARC-EP, Timoleón Jiménez, ao presidente Santos] Si bien es cierto que en la Mesa se han adelantado importantes avances de acuerdos, las actitudes oficiales que con los pretextos mencionados se repiten, amenazan con hundirlo en un pantano. Saquémoslo de ahí, ya, Santos. La tan estrecha y calculada concepción del proceso apunta a ahogarlo. Salvémoslo. (boltxe.info)
«Como se gera e quem beneficia da privatização da saúde?», de Ángeles MAESTRO (resistir.info) O roubo da saúde por empresas privadas, com a necessária conivência dos governos, não é apenas um saque dos recursos públicos, é, além do mais, um crime. / O negócio da saúde, impossível quando se presta uma cuidado universal e de qualidade, só se consegue atentando contra a vida e a segurança dos pacientes, além dos aumentos dos custos.
«Aliança Popular - O povo no poder. O Socialismo é necessário e actual»Aleka PAPARIGA (ODiario.info) No passado dia 22 de Fevereiro os trabalhadores gregos, convocados pelo PAME, realizaram uma significativa Greve Geral - a 24.ª - e realizaram manifestações e concentrações de massas em 70 cidades da Grécia. O KKE, que deu início à fase final da preparação do seu 19.º Congresso, desempenha um papel determinante na combativa, prolongada e difícil resistência dos trabalhadores e do povo grego. É oportuna, portanto, a publicação desta entrevista de Aleka Papariga sobre as Teses agora postas à discussão
«Comunismo: um gigantesco processo de emancipação ainda longe de concluído», de Domenico LOSURDO (ODiario.info) Aproxima-se o centenário da grande revolução de Outubro. Como acontece muitas vezes com revoluções, aquela principiada há aproximadamente um século seguiu um percurso completamente imprevisto. Estamos em todo caso na presença de um gigantesco processo de emancipação que modificou a face da Terra e que está bem longe de ter chegado à sua conclusão.

A Iberdrola e a Endesa negoceiam o prolongamento da central nuclear de Garoña

ASEH-Lisboa - L, 02/23/2013 - 23:34
A Endesa e a Iberdrola mantiveram negociações com o Ministério de Indústria, Energia e Turismo sobre a possibilidade de estabelecer um período de vida útil de 60 anos para o conjunto das centrais nucleares. Subjacente a esta negociação está a tentativa de manter activa a perigosíssima central nuclear de Garoña.
Na terça-feira, o vice-presidente da Sociedad Nuclear Española e director-geral da Iberdrola Generación Nuclear, Francisco José López García, sublinhou que, relativamente a Garoña, «irá manterá todas as possibilidades que tiver na mão» enquanto o Governo não decretar uma autorização de pré-desmantelamento. Este pré-desmantelamento é a linha vermelha a partir da qual «será muito difícil voltar atrás», porque as condições de operação já não serão as mesmas, disse. «A situação será então muito mais irreversível», afirmou.
Acebes, ex-ministro do PP, é actualmente conselheiro da Iberdrola, empresa acarinhada pelo PNV e pelo Governo de Lakua. No ano passado ganhou total 216 000 euros. Obviamente, mantém boas relações com o actual governo de direita do PP em Madrid, e a jogada parece clara: manter em funcionamento a central nuclear de Garoña, obsoleta e perigosa, e que ameaça a vida e a segurança de milhares de pessoas e de cidades como Gasteiz ou Bilbo.
A relação entre a «alta política» e a «alta finança» é cada vez mais evidente, para que ambas encham os bolsos em prejuízo dos cidadãos. / Fonte: boltxe.info via lahaine.org

Sortu apuesta por un Bloque Nacional Popular por la independencia

Pakito Arriaran (Venezuela) - L, 02/23/2013 - 16:11

(+) Arnaldo Otegi reclama a sus compañeros de Sortu «una revolución en nuestra mentalidad»

(+) «Irudimena, ausardia eta erabakitasuna» eskatzen dituela egoerak nabarmendu du EPPK-k

Hasier Arraiz ha sido ratificado como primer presidente del partido y en su primer discurso ha señalado que el principal reto de Sortu será construir el «poder popular» que lleve a Euskal Herria hacia la soberanía.

Sortu reúne a representantes de la resistencia kurda, colombiana, saharaui y palestina

Contra a Lei Wert, a Ikasle Abertzaleak convoca greve geral em Nafarroa para 14 de Março

ASEH-Lisboa - OT, 02/22/2013 - 23:36
A Ikasle Abertzaleak [central estudantil ligada à esquerda abertzale] convocou em Nafarroa um conjunto de mobilizações contra a LOMCE que culminarão numa greve geral dia 14 de Março e uma manifestação que partirá de Antoniutti (Iruñea) às 12h30. Antes disso, nos dias 4 e 8 de Março, haverá várias acções de luta; no dia 7, uma jornada de mobilização.
Segundo explicaram ontem numa conferência de imprensa em Iruñea, o Governo espanhol e o de Nafarroa «querem empobrecer [a sociedade] e destruir os direitos, enquanto enchem os bolsos dos políticos e dos grandes empresários», e sublinharam que não vão permitir «que o sistema mercantilista controle o sistema educativo, fazendo dos estudantes clientes. A educação tem de ser orientada a partir do povo e para o povo».
«No que aos estudos não universitários se refere, estão a tentar criar uma classe estudantil cada vez menos crítica e mais calada. É por isso que nos estão a tentar tirar o direito à greve. Com as imposições da LOMCE há vários objectivos que pretendem alcançar: discriminação de género; atribuir mais poder aos directores; diminuir a participação da comunidade estudantil; o classismo e a diferenciação; pôr de parte os idiomas co-oficiais; diminuir as áreas de estudo no ensino pré-universitário, etc.», referiram.
«A nível universitário, há a questão das taxas de inscrição, cada vez mais altas e difíceis de pagar. Ao mesmo tempo, com o acordo Estrategia de Universidad 2015 pretende-se que as empresas privadas assumam o controlo das universidades», acrescentaram.
Por isso, a IA reclamou o abandono das reformas educativas e um debate sobre a criação de um sistema educativo próprio para Nafarroa. Exigiu a demissão do ministro espanhol da Educação, José Ignacio Wert; do conselheiro navarro da Educação, José Iribas; e do reitor da UPNA, Julio Lafuente, «por defender um modelo educativo mercantilista, que deixa de lado uma educação inclusiva, de qualidade, heterogénea e paritária», e reclamou a demissão do Governo navarro «pelos seus cortes permanentes, pela política corrupta e pela falta de participação do povo nas decisões». / Martxelo DÍAZ / Ver: Gara

O otxandiarra Iñaki Pujana foi libertado, depois de passar 27 anos na prisão

ASEH-Lisboa - OT, 02/22/2013 - 23:35
De acordo com a informação divulgada pelo movimento Herrira, Iñaki Pujana, natural de Otxandio (Bizkaia), foi ontem libertado, depois de ter passado 27 anos em prisões francesas e espanholas. Chegou hoje de manhã, pela 8h30 a Otxandio, onde 50 pessoas lhe deram o primeiro ongietorri. Para a tarde estavam previstas mais iniciativas.
O caso de Pujana é singular, posto que o Tribunal Constitucional espanhol rejeitou em Julho último o recurso de amparo apresentado pela sua defesa contra a aplicação da denominada «doutrina Parot», que determinava que só sairia da prisão a 28 de Junho de 2021.

Iñaki Pujana foi detido pela Polícia francesa em 1987 e, depois de ter estado preso em La Santé, em 1991 foi extraditado para o Estado espanhol. Desde então, conheceu bem a política de dispersão, tendo passado por prisões como Carabanchel, Herrera de la Mancha, Puerto 2, Jerez de la Frontera, Algeciras e Ocaña. / Ver: naiz.info e naiz.info / Fotos: herrira.org

Maroto recusa-se a dar conhecimento de uma moção contra a «doutrina Parot» aprovada na Câmara Municipal de Gasteiz O presidente da Câmara de Gasteiz, Javier Maroto, recusa-se a dar conhecimento da moção hoje aprovada em sessão de Câmara, por discordar dela. Na moção, que foi apresentada pelo Bildu, solicita-se a anulação da «doutrina Parot» e a libertação dos presos aos quais ela foi aplicada. Foi aprovada com os votos dos seis vereadores do Bildu e dos seis do PNV.
O PP votou contra, mas, dos nove vereadores que tem em Gasteiz, só cinco estavam na assembleia - Maroto era um dos absentistas. O PSE-EE também votou contra (mais cinco votos). Ou seja, a moção foi aprovada com doze votos contra dez. Depois, o presidente Maroto fez saber numa nota de imprensa que não estava de acordo com a aprovação e que não iria transmitir aquilo que nela é solicitado. Ou seja, não dará conhecimento do que foi decidido na sessão de Câmara aos cidadãos ou à Comissário para os Direitos Humanos do Conselho da Europa. / Fonte: Berria
Neve, gelo, chuva... dispersão ao quadrado. Kontuz errepidean! Cuidado na estrada! Prevê-se temporal para os próximos dias, o que para as famílias dos presos políticos bascos significa conduzir 1000-2000 km no meio de neve, gelo e chuva. Cansaço acumulado, tensão, medo... Mais um fim-de-semana na roleta russa da dispersão. Até quando?
Fonte: ateakireki.com

Jovens denunciam perseguição policial em Bilbo, Gasteiz e Iruñea

ASEH-Lisboa - OT, 02/22/2013 - 23:34
Diversos jovens envolvidos no processo de constituição da nova Organização Juvenil, apoiados pela deputada da Amaiur Maite Aristegi e pela senadora Amalur Mendizabal, deram uma conferência de imprensa em Bilbo, frente à Delegação do Governo espanhol, para pedir o fim da perseguição policial e dos julgamentos de que são alvo.
Em nome dos jovens, Irati Sienra afirmou que, embora os jovens se tenham mostrado favoráveis à solução [política do conflito] e desenvolvam um trabalho público, continuam a ser alvo de perseguição por parte de diferentes corpos policiais.
Aristegi fez questão de transmitir toda a solidariedade a todos jovens que continuam a ser vítimas de acosso policial e judicial. «O Governo espanhol não pôs fim à via repressiva», disse a deputada da Amaiur, que defendeu a necessidade «de acabar com estas perseguições, vigilâncias e julgamentos». «É preciso acabar com a repressão» afirmou.
Pediu ao Governo do PP «que dê passos no caminho da paz». Finda a conferência de imprensa, os presentes dirigiram-se para a Delegação do Governo espanhol.
O mesmo pedido foi entregue por grupos de jovens no Governo de Lakua, em Gasteiz, e na Delegação do Governo espanhol em Iruñea. / Ver: BilboBranka e topatu.info / Vídeos: Em Bilbo / Em Iruñea
«Urquijo, o delegado do Governo espanhol na CAB, vai levar o Município de Durango à AN espanhola» (Berria) [Por causa do festival, o Kalera Rock!]

Solidariedade com os presos saarauis e denúncia da farsa jurídica nas ruas de Bilbo

ASEH-Lisboa - OT, 02/22/2013 - 23:33
Centenas de pessoas manifestaram-se em Bilbo para denunciar as duras penas a que foram condenados os 24 saarauis julgados por participar no acampamento de Gdeim Izik.
Convocada pela diáspora saaraui na Bizkaia e em colaboração com a delegação saaraui em Euskadi, centenas de pessoas tomaram parte na manifestação solidária com os presos políticos saarauis de Gdeim Izik e de repúdio pelas pena a que forma condenados pelas autoridades marroquinas, que se opõem às leis internacionais. / Fonte: askapena.org / Fotos: askapena / Vídeo: naiz.info
NO CARTAZ: Sessão de Solidariedade com o Sahara Ocidental em Lisboa Dia 27, às 18h00 / Auditório da CGTP-IN (Rua Victor Cordon, n.º 1, 2.º andar / Lisboa) Com a participação do representante da Frente Polisario em Portugal.

Kortatu - «Jimmy Jazz»

ASEH-Lisboa - OT, 02/22/2013 - 23:32

Do álbum Azken guda dantza (1988).

Incidentes junto ao Parlamento de Nafarroa nos protestos contra o desemprego e os cortes

ASEH-Lisboa - OG, 02/21/2013 - 23:35
Respondendo à convocatória dos sindicatos ELA, LAB, ESK, STEE-EILAS, CGT e CNT, e de diversos organismos sociais, centenas de pessoas denunciaram hoje a situação do desemprego em Nafarroa, que afecta cerca de 55 000 pessoas, concentrando-se frente ao Parlamento navarro, onde decorria uma sessão plenária monográfica sobre a questão.
Apesar de a Delegação do Governo espanhol ter proibido a iniciativa que pretendia «rodear o Parlamento», os manifestantes ultrapassaram as barreiras policiais e percorreram o perímetro da sede parlamentar fazendo ouvir palavras de ordem contra a crise capitalista e a favor da luta dos trabalhadores. Registaram-se vários momentos de tensão com a Polícia Foral, houve bastonadas, e várias pessoas ficaram feridas. A acção de protesto terminou sem problemas.
Antes do início da sessão plenária, em declarações aos jornalistas, o dirigente do ELA em Nafarroa, Mitxel Lakuntza, disse que era preciso «protestar contra a política de emprego do Governo de Nafarroa. Hoje o emprego é debatido com carácter extraordinário, quando pensamos que deve uma questão abordada no dia a dia».

Criticou o Governo foral por orientar a questão do emprego «sobretudo para a concertação social, o que significa fortalecer os interesses do patronato, da UGT e das CCOO», e lamentou que se intensifique a «política de cortes, que implica mais desemprego».

Por seu lado, o porta-voz do LAB em Nafarroa, Igor Arroyo, disse que o elevado número de desempregados «evidencia o fracasso do modelo que imperou em Nafarroa: UPN, PP e PSN esbanjaram o dinheiro na época do crescimento, investiram-no em obras desnecessárias, desperdiçaram-no com os seus amigos, com corruptelas, com lucros empresariais e agora dizem-nos que não há dinheiro».

«Não falta dinheiro, há é ladrões a mais», afirmou, para exigir «uma mudança profunda na política económica e social do Governo de Nafarroa», ainda que se tenha dirigido também à UGT e às CCOO, às quais pediu, «se tiverem um mínimo de dignidade, para abandonarem os planos de emprego, pois não podem dar cobertura a esta vergonhosa situação de destruição constante de emprego». / VER: Diario de Noticias via Sanduzelai Leningrado / Mais vídeos e fotos: ateakireki.com

A Polícia francesa prendeu duas pessoas alegadamente ligadas à ETA em Moulins

ASEH-Lisboa - OG, 02/21/2013 - 23:34
As detenções ocorreram na localidade de Moulins (Estado Francês), segundo informou o Ministério espanhol do Interior. Um dos alegados kides é o donostiarra Oier Ibarguren; o outro é Montxo Arkaitz, de Antsoain (Nafarroa). O ministro do ministério referido realçou que as detenções não foram um acaso, e que surgem na sequência de uma operação coordenada pelas polícias de França e Espanha. A julgar pelas notícias veiculadas pelo Berria e pelo naiz.info, o ministro do ministério não fez qualquer alusão ao Acordo de Gernika ou à Declaração de Aiete.
De acordo com a fonte do PP citada, os dois alegados membros da ETA foram hoje detidos no Estado francês, em Moulins, a cerca de 200 km de Lyon; ainda de acordo com a mesma nota informativa, seguiam ambos numa viatura furtada, e foram detidos pela Polícia francesa num hotel de Moulins.
Para o ministro do ministério, estas detenções mostram que o Governo espanhol continua «a actuar» e que o continuará a fazer «até que a ETA se dissolva». O Executivo, disse o ministro do ministério, em «colaboração absoluta e estreita com as autoridades francesas», continuará «a localizar e a deter etarras, colaboradores, membros ou [elementos] ligados à ETA». [Olé!]
Este ano, foram detidos cinco alegados etakides. / Ver: Berria e naiz.info

A Comissão Internacional de Verificação mostra-se satisfeita com os passos dados pela ETA e pede a todos os agentes que se envolvam no processo Presentes em Euskal Herria para se reunirem com múltiplos agentes locais e seguirem os avanços do processo, os membros da Comissão Internacional de Verificação (CIV) expressaram ontem a sua «satisfação» relativamente ao cessar-fogo e ao fim da actividade armada da organização ETA, e fizeram um apelo aos diferentes agentes envolvidos no conflito para que dêem passos.
Na sequência das reuniões com diversos interlocutores e dos contactos com a ETA, a CIV afirma que todos os agentes envolvidos «devem aproveitar esta oportunidade», dando passos e «tomando novas medidas geradoras de confiança». Os membros da CIV consideram que avanço no processo de paz é «vital» para evitar «a indulgência ou os retrocessos» perante esta oportunidade «histórica».
«A Comissão está à disposição de todos os agentes com a intenção de os ajudar», refere-se também no comunicado de imprensa difundido na sequência de uma visita de três dias a Euskal Herria. No princípio da semana, na segunda e na terça-feira, os peritos internacionais da CIV reuniram-se com responsáveis políticos e sociais do País Basco, incluindo o lehendakari, Iñigo Urkullu. Ontem, o dia foi dedicado a uma reunião plenária. / Fonte: Lejpb / Ver também: naiz.info
«Um Fórum Social vai promover o processo de paz em Euskal Herria» (naiz.info) Por iniciativa da Bake Bidea e da Lokarri, nos dias 14 e 15 de Março Bilbo e Iruñea vão receber um Fórum Social para promover o processo de paz em Euskal Herria, em que se abordará o desarmamento, a reintegração dos presos e refugiados, os direitos humanos e a o modo de enfrentar o passado.
«Foro sozial bat egingo dute, herritarren parte hartzearen bidez bake prozesua bultzatzeko» (Berria) Bake Bideak eta Lokarrik antolatuta, martxoaren 14an eta 15ean egingo dute foroa, Bilbon eta Iruñean. Desarmatzea, presoen gizarteratzea, giza eskubideak eta iraganari nola aurre egin izango dute eztabaidagai.

Os cinco jovens que cortaram a A-8 decidiram não comparecer em tribunal

ASEH-Lisboa - OG, 02/21/2013 - 23:33
Os cinco jovens arguidos que em 2007 cortaram a A-8 em Zarautz (Gipuzkoa) em protesto contra a designação das organizações Jarrai, Haika e Segi como «terroristas» decidiram não comparecer no julgamento que hoje devia ter lugar. Comunicaram a decisão numa conferência de imprensa precisamente em frente ao Tribunal de Donostia.
Na conferência de imprensa, disseram que cada um dos jovens presentes pode apanhar até 30 meses de cadeia e denunciaram «a aplicação das políticas de excepção do tribunal de excepção espanhol». Por isso e «porque nenhum tribunal tem legitimidade para julgar e punir a juventude basca», optaram pela desobediência civil.
Na ocasião, recordaram que a designação das organizações juvenis como terroristas esteve na origem de mais de oito operações policiais, e conduziu «à detenção, tortura e encarceramento de mais de 150 jovens».
Referiram-se também aos episódios repressivos mais recentes: a confirmação pelo ST espanhol, a 18 de Dezembro último, da condenação de cinco jovens de Orereta; o caso do donostiarra Ekaitz Ibero, condenado a quatro anos e três meses de prisão por alegada participação numa acção de kale borroka; e os julgamentos dos jovens de Donostialdea e de Burlata.
Por tudo isto, vincaram a importância da organização e fizeram um apelo à juventude basca para que continue a organizar-se. / Ver: naiz.info e BilboBranka
Gora euskal gazteria! Viva a juventude basca!

Leihotikan - «Nafarroa»

ASEH-Lisboa - OG, 02/21/2013 - 23:32

Os Leihotikan são uma banda da capital de Euskal Herria; o tema faz parte do álbum Munduaren leihoa (2003). [Hitzak / Letra]

Recordamos el X. aniversario del cierre de Egunkaria

Pakito Arriaran (Venezuela) - AZ, 02/20/2013 - 23:57

Txarli trabajaba en Egunkaria cuando hace diez años la policía lo cerró y detuvo varios de sus trabajadores. Vivió, por tanto, en primera persona aquella ofensiva indiscriminada auspiciada por la idea del “todo es ETA”.

Descargar audio

Faz hoje dez anos que encerraram o «Euskaldunon Egunkaria»

ASEH-Lisboa - AZ, 02/20/2013 - 23:37
No dia 20 de Fevereiro de 2003, por ordem do juiz Juan del Olmo, da Audiência Nacional espanhola, a Guarda Civil encerrou Euskaldunon Egunkaria, por alegada ligação à ETA, e prendeu dez pessoas - algumas das quais afirmaram ter sido torturadas. No dia seguinte, os trabalhadores do Egunkaria fazem sair o Egunero, e em Junho do mesmo ano nasce o Berria. Em Abril de 2010, a AN espanhola decretou uma sentença em que absolveu os arguidos. [Na foto: trabalhadores do Egunkaria à porta do jornal no dia do encerramento.]
Hoje, por ocasião do 10.º aniversário do encerramento do Euskaldunon Egunkaria, realizou-se um acto no Martin Ugalde kultur parkea, em Andoain (Gipuzkoa), que contou com a participação de arguidos no «Caso Egunkaria», antigos trabalhadores, jornalistas, e diversos convidados. Joan Mari Torrealdai enfatizou o facto de a parte económica do processo ainda continuar aberta, e agradeceu o apoio de todos ao longo dos últimos anos, em especial, o dos bascos, o da sociedade basca. Ver: Berria e naiz.info / Vídeo: 10.º aniversário do encerramento do Egunkaria
«Caso Egunkaria»: cronologia (eus / cas)
«Caso Egunkaria» (em castelhano, francês, catalão e inglês)

Manifestação em Donostia contra o fechamento do Egunkaria (22/02/2003)
Iñaki Uria: «Para Egunkaria no ha habido reparación, sino todo lo contrario»
O jornalista e escritor, Iñaki Uria nasceu em Zarautz em 1960. Foi fortemente torturado por guardas civis e depois encarcerado quando do fechamento do Egunkaria - diário de que era conselheiro delegado -, faz hoje dez anos. Quando foi libertado, via duas saídas: esperar pelos julgamentos ou envolver-se em novos projectos. Dinamizou o projecto da Hamaika Telebista, sendo actualmente o seu director. / Maider IANTZI (Gara)
«La guerra por nuestros medios», de Iñaki SOTO (Gara) Los cierres de Egunkaria y Egin tienen un denominador común: la voluntad política del Estado español de sabotear los mecanismos que los vascos hemos creado para el desarrollo de nuestra nación en libertad, cercenando para ello todo tipo de derechos
«Puente destruido», de Borroka Garaia (BorrokaGaraiaDa) En su estrategia permanente de-construcción nacional vasca, cerrar el único periódico íntegramente en euskera, aplicar una operación de castigo intimidatoria contra el mundo de la cultura para forzar un retroceso en prevención a saltos políticos, e indicar que todo avance rupturista con el sistema español se paga con dura represión independientemente de cualquier otro factor.
«La memoria selectiva», de Alberto PRADILLA (naiz.info)
Egin, Ardi Beltza, Kale Gorria o la web Apurtu. Periodistas encarcelados, policías irrumpiendo en medios de comunicación para echar la persiana. Todo ello en los últimos 15 años. Como dice Uria, no hubo reparación para Egunkaria. Tampoco para el resto de medios clausurados, algunos de cuyos miembros siguen en prisión.

Em Deustu, mobilização de apoio a cinco jovens que vão ser julgados em Donostia

ASEH-Lisboa - AZ, 02/20/2013 - 23:36
Amanhã, cinco jovens vão ser julgados em Donostia acusados de terem participado numa acção de desobediência civil, em Janeiro de 2007 contra a designação da Organização Juvenil Segi como «terrorista».
Asier Alberdi (Bilbo), Naroa Ariznabarreta (Eibar), Aritz Azkona (Iruñea), Ainara Ladron (Elgoibar) e Saioa Zerain (Gasteiz) são acusados de terem cortado a A8 em Zarautz (Gipuzkoa) como forma de protesto contra o processo «Jarrai-Haika-Segi».
Asier Alberdi é de Deustu (Bilbo), e os seus conterrâneos decidiram convocar uma concentração de protesto contra o julgamento, em solidariedade com Alberdi e os demais quatro arguidos e para exigir que se acabe de uma vez por todas com a repressão sobre a juventude basca.
Sob o lema «Euskal gazteria libre eta legala», a concentração terá lugar amanhã, dia 21, às 19h30, na Done Petri plaza, no bairro bilbaíno de Deustu. Para além desta concentração, o movimento de defesa dos direitos civis e políticos Eleak convocou uma outra para Donostia; será às 11h00, frente ao tribunal. / Fonte: BilboBranka

Precisamos deles em casa! Liberdade para os presos e os refugiados políticos bascos!

ASEH-Lisboa - AZ, 02/20/2013 - 23:35
Etxean behar ditugu! Ongi etorriak!
Ongi etorris a presos políticos bascos. Maite zaituztegu! Fonte: Etxerat Prensa

O Município de Ondarroa exigiu o fim imediato da «doutrina Parot»
Numa sessão plenário realizada no dia 13 de Fevereiro na Câmara Municipal da gloriosa Ondarroa, pediu-se o fim imediato da «Doutrina Parot», bem como a não aplicação das medidas de excepção contra os presos políticos. Os nove vereadores do Bildu 9 votaram a favor; os quatro do PNV abstiveram-se. Podem consultar as actas aqui. / Fonte: turrune
«Concentração frente à sede do PP pelos direitos dos presos» (ateakireki.com) Como acontece às segundas-feiras, ontem realizou-se uma concentração frente à sede do PP na capital navarra, na qual participaram 68 pessoas, para reivindicar o direito dos presos políticos bascos a viver em Euskal Herria. Nas faixas que os presentes exibiam lia-se: «Euskal Preso eta Iheslariak Herrira» e «La dispersión mata».

Askapena: «No al jucio farsa! Libertad para el Sahara!»

ASEH-Lisboa - AZ, 02/20/2013 - 23:34
Antes que nada queremos expresar nuestra solidaridad con los presos políticos saharauis, con sus familiares y extenderlo, de esta forma, a todo el pueblo saharaui. En estos momentos, en los que no se puede mirar para otro lado ni dar la espalda a la situación, es preciso reafrimar que estamos en el mismo camino hacia la liberación de nuestros pueblos. (askapena.org)
«Sobre la polémica del antifascismo», de Manuel NAVARRETE (insurgente.org) El fascismo es, pues, un fenómeno de clase. Por eso la lucha contra el fascismo no puede desligarse de la lucha de clases y de la pugna por conquistar el poder político por parte del pueblo trabajador. Decía Brecht que «un fascista es un burgués asustado», que la burguesía recurre al fascismo periódicamente cuando ve peligrar sus privilegios y que, en consecuencia, sólo la victoria de la clase trabajadora podrá garantizar el fin de esa amenaza.
«Lumpenburguesía», de Jon ODRIOZOLA (boltxe.info) El capitalismo, su modo de producción -ni de destrucción-, no resistiría ni toleraría una corrupción generalizada, no sobreviviría al no haber plusvalía y solo fraude. Su supervivencia reside y consiste en la explotación y el vampirismo sobre la vena del trabajador.
«Navarra fuera de onda», de Jose Mari ESPARZA (ateakireki.com) Lo que ocurre con Euskalerria Irratia, los medios de EITB o las radios locales, demuestra que a todos los navarros, sin excepción, nos tratan como a tontos, como a siervos colonizados. Estos 30 últimos años UPN y PSOE han entregado a Madrid, a cambio de nada, todo el espacio radiofónico. Y con este alargamiento del franquismo ya van a ser dos generaciones que van a morirse sin haber conocido, no ya Radio Milán, sino algo que se parezca a la democracia mediática. Navarra está fuera de onda.

Un Foro Social tratará de impulsar el proceso de paz en Euskal Herria

Pakito Arriaran (Venezuela) - AZ, 02/20/2013 - 23:01

(+) La CIV constata que ETA cumple sus compromisos y considera «vital» dar nuevos pasos

La Policía francesa detiene a dos personas a las que vincula con ETA en Clermont-Ferrand

Por iniciativa de Bake Bidea y Lokarri, Bilbo e Iruñea acogerán el 14 y 15 de marzo un Foro Social para impulsar el proceso de paz en Euskal Herria, en el que se abordará el desarme, la reintegración de los represaliados, los derechos humanos y cómo afrontar el pasado.

Páginas

Suscribirse a Askapena agregador: Euskal Herriaren Lagunak
randomness