Paese in via di sviluppo è il nome con cui gli esperti designano i paesi travolti dallo sviluppo altrui

Eduardo Galeano

Tu sei qui

EH Lagunak (pt)

Grande apoio aos símbolos de EH e aos «pescadores barbudos», à beira do julgamento

ASEH-Lisboa - L, 10/04/2014 - 23:34
Foi grande o apoio hoje manifestado, na Praça do Município de Iruñea, aos cinco bascos que vão a julgamento no próximo dia 8, acusados de serem os «arrantzale bizardunak» que, no txupinazo dos Sanfermines de 2013, penduraram uma ikurriña gigante sobre a praça. Muitos dos que participaram no acto, convocado pela plataforma Iruñea Askatasunez, ajudaram a compor dois mosaicos com a bandeira de Nafarroa e a ikurriña.

A poucos dias do julgamento dos alegados «pescadores barbudos», dezenas e dezenas de pessoas concentraram-se hoje na Udaletxe Plaza da capital navarra para lhes expressar o seu apoio. No decorrer do acto, muito animado e a que não faltou o apoio das trikitixas afinadas a tocar o «Euskal Herrian euskaraz», os acusados afirmaram que este julgamento é «um ataque a Iruña e a todos aqueles que sentem a ikurriña como sua». / Ver: ahotsa.info / VÍDEO: euskal ikurren aldeko ekitaldia / FOTOS: ikurriña eta bizadurnak aurrera!

VER: «A Lei dos Símbolos volta a estar em debate com o julgamento dos "barbudos"» (ahotsa.info)
O julgamento dos «arrantzales/pescadores barbudos» volta a colocar a polémica Lei dos Símbolos, em Nafarroa, no centro do debate público.Mais informação: Iruñea askatasunez

Entrevista:
Mikel Valdivieso: «Gure ikurren eta ikurrinaren aurkako epaiketa izango da» (Berria)
Iazko txupinazoan ikurrina zintzilikatzea leporatuta epaituko dituzte Mikel Valdivieso, Josu Gracia, Iker Garzia, Natxo Barriuso eta Iñigo Ramaio urriaren 8an. Bi urteko zigorrari egin beharko diote aurre.
[Entrevista de Lohizune Amatria a Mikel Valdivieso, acusado]

Sakana exige a paralisação do projecto da incineradora de Olazti

ASEH-Lisboa - L, 10/04/2014 - 23:33
Reportagem da AhotsaA cimenteira da Portland, em Olazti (Nafarroa), tem todas as autorizações de que necessita para incinerar resíduos. Contudo, a oposição dos habitantes é geral em todo o Vale de Sakana. A plataforma 3mugak Batera exige ao Governo que ponha de parte, de uma vez por todas, a queima de resíduos em Nafarroa. / Ver: ahotsa.info

Desafios actuais da Revolução Bolivariana em debate

ASEH-Lisboa - L, 10/04/2014 - 23:32
Na quinta-feira, dia 9, às 19h30, o Zirika! Herri Gunea (Ronda, 12), em Bilbo, será palco de uma conferência de Guadalupe Rodríguez, organizada pelo Komite Internazionalistak, sobre a situação actual na Venezuela e os desafios que a Revolução Bolivariana enfrenta.

Guadalupe Rodríguez é uma militante histórica do bairro 23 de Enero, em Caracas, pertence à Coordinadora Simón Bolívar e à Fundación Pakito Arriaran, e trabalha, ainda, na rádio comunitária Al Son del 23. / Ver: Komite Internazionalistak via Cubainformación

Leitura:
«Los héroes de nuestra época», de Fidel CASTRO RUZ (lahaine.org)
¡Honor y gloria para nuestros valerosos combatientes por la salud y la vida!
¡Honor y gloria para el joven revolucionario venezolano Robert Serra junto a la compañera María Herrera!

Gibelurdinek - «La pastora de Ibardin»

ASEH-Lisboa - L, 10/04/2014 - 23:31
A banda é da região de Uribe Kosta, Bizkaia. A canção - uma de poucas em castelhano - inclui-se numa recolha de 22 temas, publicada em 2012.«O cantautor Fermín Valencia, que nasceu em Iruñea e vive em Tafalla, em 1974 ofereceu-nos esta canção. Quase quatro décadas passadas, algumas coisas não mudaram...» (Gibelurdinek)

Amanhã, marchas em defesa da saúde pública em Araba, Bizkaia e Gipuzkoa

ASEH-Lisboa - OT, 10/03/2014 - 23:34
Os sindicatos com representação no sector da saúde pública na Comunidade Autónoma Basca realizam amanhã, dia 4, um conjunto de marchas em defesa da prestação de um serviço público de qualidade no sector e em protesto contra a política de sucessivos cortes na despesa pública por parte do Governo de Lakua, que põe em causa a prestação desse serviço.

Os sindicatos, que defendem um sistema de saúde público forte e de qualidade, manifestam ainda especial preocupação quanto à «destruição de 3000 postos de trabalho no Osakidetza». Uma destruição de emprego com consequências graves a vários níveis, incluindo o aumento da carga horária para os que ficaram e a deterioração do serviço prestado. Perante tal ataque aos direitos dos traabalhadores e aos dos utentes, consideram que avançar com uma proposta de «consolidação de 60 postos de trabalho» é uma «autêntica provocação».

Os trabalhadores do Osakidetza estão em luta desde Junho, tendo realizado manifestações, concentrações e enclausuramentos. Amanhã, com as marchas em defesa da saúde pública, pretendem dar sequência ao «estado de mobilização».

As marchas começam todas às 10h30: em Araba, parte do Hospital Txagorritxu com destino à Elizaola plaza; na Bizkaia, parte do Hospital de Gurutzeta/Cruces (Barakaldo) com destino ao Arenal bilbaíno; em Gipuzkoa, parte do Hospital Donostia com destino à Pio XII plaza. / Ver: Herrikolore e LAB Sindikatua

CONCENTRAÇÃO DO LAB NO HOSPITAL DE NAVARRA
Dezenas de trabalhadores participaram hoje, 3, na concentração convocada pelo sindicato LAB por ocasião da visita de Yolanda Barcina, presidente do Governo navarro, e de Marta Vera, conselheira da Saúde, ao Complexo Hospitalar de Navarra (CHN), onde foram inaugurar as novas «urgências centralizadas».O LAB põe em causa a viabilidade deste projecto, que considera precipitado e orientado mais por razões políticas que técnico-assistenciais. Para além disso, gerou uma situação de conflito com os trabalhadores.

No decorrer da concentração, os trabalhadores fizeram ouvir palavras de ordem contra a privatização do sector da saúde, pediram a demissão da responsável da tutela, Marta Vera, e denunciaram a corrupção política. Manifestaram, assim, o seu protesto contra a política de saúde neoliberal levada a cabo pelo Governo da UPN.

Algumas pessoas que participavam no protesto comentaram que, à chegada das duas representantes políticas, o gerente do CHN, Víctor Peralta, respondeu às palavras de ordem dos trabalhadores dizendo. «Todos para o desemprego, todos para o desemprego». / Ver: ahotsa.info

Ibon Iparragarrige corre risco de vida, alertou a sua médica

ASEH-Lisboa - OT, 10/03/2014 - 23:33
Numa conferência de imprensa que a Etxerat hoje deu em Bilbo sobre a não aplicação do artigo 100.2, pela AN espanhola, ao preso político Ibon Iparragirre, natural de Ondarroa (Bizkaia), a médica Miren Arana afirmou que, dada a gravidade da doença, a sua permanência da cadeia não faz mais que agravar o seu estado clínico.

Miren Arana, membro da associação Jaiki Hadi e médica de confiança do ondarrutarra, afirmou hoje, em Bilbo, que o preso tem SIDA no estado 3C, uma fase avançada da doença, que o está a afectar gravemente a nível neurológico e cognitivo, e que, ao permanecer na cadeia, «corre risco de vida».

Na conferência de imprensa estiveram também presentes a advogada Ane Ituiño, a mãe do preso, Angelita Burgoa, e o representante da Etxerat Ibai Bilbao. Este último afirmou que a não aplicação do regime de prisão atenuada a Iparragirre constitui «uma decisão política de condenação à morte» e que «o estado de saúde ou a legalidade vigente» não interferem com a decisão de libertar os presos com doenças graves e incuráveis: trata-se de «uma decisão política», insistiu. / Mais informação: aqui, aqui e aqui

Julio C. Gambina: «Terrorismo económico mundial»

ASEH-Lisboa - OT, 10/03/2014 - 23:32
A reestruturação regressiva do capitalismo argentino tem antecedentes na ditadura genocida e terrorista de 1976. Sem a violência terrorista do Estado capitalista não teria existido a possibilidade das privatizações realizadas e consolidadas em tempos constitucionais na Argentina. Os «fundos abutres» são apenas uma parte do terrorismo económico que o neoliberalismo institucionalizou. (odiario.info) [em castelhano: Resumen Latinoamericano]

«O imperialismo também usa silenciador», de Bruno CARVALHO (manifesto74)
Assistimos, hoje, a várias frentes abertas pelos Estados Unidos e pela União Europeia. Na Líbia, na Síria, no Iraque, no Curdistão, na Ucrânia, na Venezuela e na China, o imperialismo desdobra-se em intervenções indirectas utilizando métodos que não sendo novos surpreendem pela simultaneidade. Há que denunciá-lo. O imperialismo também usa silenciador: todas as suas ferramentas de comunicação.

«Venezuela: Se hace necesario vencer al terror fascista», de Carlos AZNÁREZ (redroja.net)
Están matando a los más jóvenes. En Gaza, en Lugansk y Donetsk, en México, y como no, en Venezuela. Los sicarios fascistas del Imperio saben a quienes apuntan para generar desconcierto y desestabilización.

«Ser una piña», de Borroka Garaia (BorrokaGaraiaDa)
Recientemente, ese tribunal heredero del TOP franquista llamado audiencia nacional española ha imputado a tres personas del proyecto comunicativo juvenil Topatu.info por el supuesto terrible delito de dar cobertura informativa a un acto público celebrado en abril del año pasado en torno a la Gazte Danbada. [...]

Solidariedade «vallekana»: Liberdade para os 28!

ASEH-Lisboa - OT, 10/03/2014 - 23:31
Apoio da gente do bairro de Vallecas, em Madrid, aos 28 jovens independentistas bascos que estão a ser julgados na AN espanhola.Vallecas, Madrid, 23/9/2014. Reportagem de Isabel Montenegro para Periodismo Digno.

Os grevistas não se entregaram e dia 11 há «askegune» em Deustu

ASEH-Lisboa - OG, 10/02/2014 - 23:34
Terminava hoje o prazo de dez dias que a Audiência Provincial da Bizkaia deu a Urtzi (Urtzi Martínez) e a Telle (Jon Telletxea) para se entregarem voluntariamente. Numa conferência de imprensa que teve lugar, hoje de manhã, nos Jardins de Albia, em Bilbo, elementos da plataforma Grebalariak Aske! deixaram claro que «eles não se entregaram, nem se vão entregar». Centenas de pessoas estiveram no local para expressar o seu apoio aos dois jovens grevistas bilbaínos.

Maitane Muñoz, em representação da Grebalariak Aske, recordou a injustiça subjacente a este longo processo e o carácter excessivo da sentença: dois anos e meio de prisão por fazer umas pintadas na greve geral de Março de 2012.

Afirmou também que o «julgamento foi uma farsa», no qual ficou evidente que o processo consistiu «numa montagem policial, baseado em provas manipuladas pelos ertzainas e em depoimentos sem sentido».

Caminho da desobediência
Como os dois jovens optaram pela «via da desobediência», a plataforma decidiu organizar um askegune [espaço livre] no dia 11, na Done Petri plaza, no bairro de Deustu, «para lhes transmitir solidariedade e continuar a reivindicar a lutar por outro modelo socioeconómico».

O encontro terá início às 10h00 e terminará com uma concentração às 14h00 (fez-se um apelo à participação massiva), havendo de permeio várias actividades programadas. O movimento feminista, agentes económicos, organizações políticas, o movimento juvenil e sindicatos já deram o seu apoio a este askegune de cinco horas.

Carta de Urtzi e Telle
Os dois jovens não estiveram presentes na concentração de hoje, mas, na ocasião, foi lida uma carta em que ambos aludem ao modo como este longo processo condicionou as suas vidas e as dos seus seres queridos; denunciam a repressão contra a quem luta por outro modelo socioeconómico e pela construção de uma «Euskal Herria livre, socialista e feminista».

Urtzi ta Telle aske! [Erre Harria]Apelo à participação no Askegune (eus/cas) / Ver: uriola.info

Aparece placa de Txikia na praça que é sua

ASEH-Lisboa - OG, 10/02/2014 - 23:33
Apareceu ontem numa praça do bairro de Algorta (Getxo, Bizkaia) uma placa a imitar as que usam no município e a devolver o nome de Eustakio Mendizabal, Txikia, ao local. O PP exigiu ao presidente da Câmara a retirada imediata da placa, que evoca a figura do histórico militante da ETA, poeta e euskaltzale, morto a tiro no bairro pela Polícia franquista em 1973.

O conflito sobre a designação do local já vem de longe. Em 1980, a designação «Txikia Plaza» foi aprovada em sessão de Câmara (com os votos favoráveis do Herri Batasuna e do PNV, e a abstenção do PSOE), e perdurou até 2009, quando, na sequência de uma acção da associação conhecida como «Dignidad y Justicia», um tribunal bilbaíno ordenou a retirada da placa.

A CM de Getxo cumpriu a decisão judicial mas, quando PP e PSOE se uniram para mudar o nome para Bakearen Plaza [Praça da Paz], o Executivo municipal recusou-se a implementar a alteração e a praça ficou sem nome oficial – embora seja do conhecimento comum que aquela é e será a praça de Txikia. Poeta e euskaltzale, o destacado e histórico dirigente da ETA era natural de Itsasondo (Gipuzkoa) e morreu num tiroteio com a Polícia fascista a 19 de Abril de 1973. / Ver: ukberri.net e SareAntifaxista

Néstor Kohan: «Octubre: homenaje al Che Guevara y a Lenin. Estrategia, hegemonía, revolución» [víd]

ASEH-Lisboa - OG, 10/02/2014 - 23:32
¿Qué entendían Marx y el Che, Lenin y Gramsci por revolución? ¿Reformas «micro» y exclusivamente institucionales o cambios de fondo, radicales y globales? ¿Cambiar algo para que todo siga igual? Gatopardismo burgués o revolución socialista.¿Cómo vivir mejor? ¿Refugiarse en la autoayuda o cambiar el mundo? ¿Hacia donde dirigir nuestros reclamos? Las rebeldías sin plan y sin estrategia terminan diluyéndose. ¿Qué es una estrategia? Necesidad de una estrategia prolongada y de cambios sociales radicales. Che Guevara como símbolo de rebeldía universal: su estrategia política, el marxismo. (Ler mais em lahaine.org)
Proyecto Memoria del futuro: Brancaleone Films y Cátedra Che Guevara (http://amauta.lahaine.org)

Inadaptats - «Solidaritat»

ASEH-Lisboa - OG, 10/02/2014 - 23:31
Visca la lluita obrera! Visca Catalunya lliure!

Proibido informar: AN espanhola intima a depor três membros do topatu.info

ASEH-Lisboa - AZ, 10/01/2014 - 23:35
O tribunal de excepção volta a atacar a liberdade de expressão e de informação em Euskal Herria: três membros do projecto informativo juvenil topatu.info foram intimados a depor como acusados de «enaltecimento do terrorismo» por terem feito a cobertura informativa do acto político principal do festival Gazte Danbada, que se realizou de 29 de Março a 1 de Abril de 2013, em Urduña (Bizkaia), organizado pela Ernai. Têm de se deslocar a Madrid no dia 7, depois de um juiz lhes ter recusado a possibilidade de prestarem declarações em Euskal Herria.

A AN espanhola já tinha acusado de «enaltecimento do terrorismo» os participantes no acto pelas declarações que proferiram sobre um preso que acabara de falecer na cadeia. Em Março deste ano, o tribunal pediu ao portal topatu.info que apagasse os vídeos, com imagens gravadas no decorrer da cobertura informativa do acto político, que continham essas intervenções e que faziam um resumo do evento.

Apesar de se reconhecerem que se tratava de um ataque à liberdade de imprensa, os responsáveis do portal apagaram os vídeos, sob a ameaça judicial de encerramento da página se não o fizessem.

Na nota de imprensa em que divulga esta informação, os responsáveis do topatu.info afirmam que se trata de um novo caso de ataque à liberdade de imprensa e de censura em Euskal Herria, e referem a já longa lista de meios de comunicação populares bascos que Madrid mandou encerrar com toda a impunidade: Egin, Egin Irratia, Ardi Beltza, Egunkaria, Kale Gorria, Apurtu, Gaztesarea, Burlata Herria, Ateak Ireki. / Ver: argia.com e topatu.info

Idosos defendem direitos e denunciam empobrecimento em Iruñea

ASEH-Lisboa - AZ, 10/01/2014 - 23:34
No Dia Internacional do Idoso, cerca de 400 reformados e pensionistas participaram numa concentração frente à Deputação Foral, na capital navarra, para reivindicar os seus direitos e denunciar as políticas de empobrecimento.

Na concentração, afirmaram que se decide «empobrecer» a maioria para que uns quantos possam «ser cada vez mais ricos e poderosos», deixando claro que o empobrecimento não é «só consequência da crise, mas resulta de uma estratégia» imposta com vista a «reduzir direitos conquistados com tanto esforço por várias gerações na luta por uma sociedade mais igualitária, democrática, habitável».

Criticaram os cortes na saúde, o encarecimento dos medicamentos, o congelamento das pensões, «o discurso apocalíptico» sobre a viabilidade do sistema público para assim engordar as contas dos bancos, os cortes nas prestações às pessoas dependentes ou a degradação da qualidade do serviço prestado nos lares de terceira idade. «A nossa defesa dos direitos sociais, a nossa presença social, está para lá de comemorações e das considerações que nos tomam por enfeites necessários nas fotos dos governos», sublinharam, para destacar em seguida que a sua «dignidade não é negociável quando mais de 26 mil idosos vivem no limiar da pobreza em Nafarroa».

Por isso, reclamam políticas sociais que permitam a «todas as pessoas, sem exclusões, viver e fazer frente com dignidade às suas necessidades económicas, de habitação, saúde, de apoio à sua autonomia pessoal e participação na vida social». / Ver: ahotsa.info

Borroka Garaia: «Ahora es la hora de los y las segadoras»

ASEH-Lisboa - AZ, 10/01/2014 - 23:33
Existen ciertos momentos en que un pueblo tiene que tomar decisiones que no se pueden postergar. Euskal Herria ha tenido momentos de esos. Por poner algunos ejemplos; el surgimiento del Eusko Gudarostea, la estructuración de la resistencia nacional en el franquismo, o la apuesta por la ruptura en la reforma franquista. Ninguno de ellos triunfó hasta hoy y el motivo principal no ha sido el enemigo sino el colaboracionismo y los intereses de clase alta. Que son la misma cosa.
Catalunya por primera vez en muchas décadas se dirige a una de esas horas de la verdad. (BorrokaGaraiaDa)

«Espanha e a terceirização do caos na Venezuela», de Carlos FAZIO (odiario.info)
Os inimigos externos e internos da Revolução Bolivariana não desistem, e dispõem de meios de acção muito poderosos. Denunciar a sua permanente actividade conspirativa, desestabilizadora e terrorista é um dever de solidariedade.

«Pakito Arriaran», de Fernando BOSSI (boltxe.info)
Como tantos otros jóvenes que dieron su vida por los ideales de justicia, libertad e igualdad, Pakito Arriarán estará por siempre en la memoria de los revolucionarios de Nuestra América. ¡Gloria al heroico vasco!

Concentração em Iruñea contra a Lei Mordaça e as multas políticas

ASEH-Lisboa - AZ, 10/01/2014 - 23:32
A Polícia usou os furgões para tapar as pessoas que se concentraram frente à Delegação do Governo. Os sindicatos CGT e CNT e o Colectivo de Pessoas Desempregadas denunciaram a repressão que se vive em Nafarroa.

Acompanhadas por um dispositivo policial desproporcionado, cerca de meia centena de pessoas participaram na concentração convocada por CNT, CGT e o Colectivo de Pessoas Desempregadas que ontem se realizou frente à Delegação do Governo espanhol em Iruñea para denunciar «a dinâmica de repressão administrativa», através de multas, a pessoas que levam a cabo iniciativas reivindicativas nas ruas.

Os sindicatos criticaram o projecto de Lei da Segurança Cidadã, conhecida como Lei Mordaça, porque constitui uma «verdadeira ameaça para o livre exercício dos nossos direitos civis». Referiram-se concretamente à situação de Nafarroa, onde a delegada do Governo espanhol, Carmen Alba, «está a assumir um papel destacado pelo número de multas e acções que limitam o uso da rua». / Ver: lahaine.org

Matricula-te na AEK: aprende euskara e diverte-te!

ASEH-Lisboa - AZ, 10/01/2014 - 23:31
Centenas de adultos vão começar a dar os primeiros passos na aprendizagem do euskara em Outubro, com o início das aulas na AEK – Coordenadora de Euskaldunização e Alfabetização.

A AEK dá prioridade ao euskara prático, e apresenta várias possibilidades: grupos presenciais, auto-aprendizagem, on-line, cursos de preparação de títulos, cursos para grupos específicos, abrangendo todos os níveis e horários, com uma metodologia centrada no uso da língua, na prática.

Com um trajecto de quase 40 anos na euskaldunização de adultos, a coordenadora já ensinou a língua basca a mais de 50 mil pessoas. Em Nafarroa, a sua rede de euskaltegis, espalhada por mais de 55 terras e bairros, é a que mais pessoas recebe, tendo mais de 1200 alunos e 70 professore/as.

Spot da campanha de Setembro da AEKPara te matriculares, usa o e-mail nafarroa@aek.org ou os telefones 948-220213 e 673 200 100. / Ver: ahotsa.info [On egin!]

Oito habitantes de Zugarramurdi multados em 450 euros por «reunião ilegal»

ASEH-Lisboa - AT, 09/30/2014 - 23:35
São oito mas teme-se que possam vir a ser mais à medida que o tempo passa. São de Zugarramurdi (Baztan, Nafarroa) e foram multados em 450 euros por terem participado numa reunião não autorizada, pois o número de participantes foi superior a 20 - mas eles desconheciam tudo isto. Há sete meses, no dia 23 de Fevereiro, havia festa, pois o Atxuri, clube de montanhismo local, festejava o seu 15.º aniversário e os 3000 quilómetros percorridos. Agora, para espanto de todos, começaram a receber as sanções.

«De manhã demos uma volta pelo monte todos juntos; depois foi inaugurada uma exposição com as fotos do grupo no Museu das Bruxas e dali fomos para a praça para tomar o aperitivo», dizem. «Fazia um tempo estupendo, havia muita gente nas esplanadas, tanto visitantes como zugarramurdiarras», e, a dada altura, ocorreu-lhes voltar a pendurar uma faixa com a inscrição «Ikur inposaketarik ez!» (Não à imposição de símbolos).

Pouco tempo depois - sempre de acordo com a versão dos multados -, apareceu uma viatura da Guarda Civil, e aproximou-se deles. Os militares perguntaram-lhes se tinham autorização e quem era a pessoa responsável pela organização do acto. Os zugarramurdiarras responderam-lhes que não era ninguém em concreto, que era um assunto da terra. Em seguida, foram-lhes pedidos os documentos de identificação; e tudo ficou por aí, sem problemas, crispações ou insultos, e houve baile e festa, afirmam.

«Agora, desta forma, ficamos a saber que, pelos vistos, é proibido estarem mais de 20 pessoas juntas sem autorização do Governo», dizem os zugarramurdiarras.

«Hoje, como há 400 anos também na nossa terra, temos de andar de noite e às escondidas», comentam. / Notícia completa: ahotsa.info

Quase 200 pessoas pelos direitos dos presos frente à sede do PP em Iruñea

ASEH-Lisboa - AT, 09/30/2014 - 23:34
Como é habitual às segundas-feiras, realizou-se uma concentração frente à sede do PP na capital navarra para reivindicar o direito dos presos políticos bascos a viver em Euskal Herria.

Participaram na concentração 175 pessoas e nas faixas que exibiam podia ler-se: «Euskal Preso eta Iheslariak Herrira», «La dispersión mata», «Epaiketa politikorik ez / No a los juicios políticos». / Ver: lahaine.org

AN ESPANHOLA RECUSA PRISÃO ATENUADA A IPARRAGIRRE
Um juiz da Audiência Nacional espanhola recusou ontem a aplicação do artigo 100.2 ao preso político basco Ibon Iparragirre. Esse artigo contempla a possibilidade de os presos com doenças graves cumprirem a pena em regime de prisão atenuada.

Ibon Iparragirre, de Ondarroa (Bizkaia), é precisamente um dos presos que cumprem os requisitos para que a medida possa ser aplicada, na medida em que tem uma doença grave e incurável, como sublinhou a Etxerat.

Recorde-se que Iparragirre já este a cumprir pena neste regime, em casa (desde Outubro de 2011). Em Março deste ano foi novamente detido e encarcerado, em Basauri. Em Abril, foi transferido para Navalcarnero, sendo afastado de casa. / Ver: kazeta.info e Turrune!

«Pakito Arriaran: ¡ejemplo ayer, hoy, y siempre!»

ASEH-Lisboa - AT, 09/30/2014 - 23:33
El 30 de setiembre de 1984, Pakito Arriaran moría acribillado a tiros por el Ejército salvadoreño. Este militante de ETA que vio nacer Arrasate continuó combatiendo hasta su último aliento. 30 años después, el internacionalismo activo lleva su nombre. (pakitoarriaran.org)

«El cuento de los Alderdi Eguna y la credibilidad del PNV», de Igor MELTXOR (boltxe.info)
En la cita anual del Alderdi Eguna y ante un público entregado, los dirigentes del PNV vuelven a sacar a la palestra la reivindicación de un pacto para el logro de «nuevo estatus politico» para Bizkaia, Araba y Gipuzkoa. Todo sigue igual, nada cambia.

«Muere en la cárcel el preso político saharaui Hassana El Wali» (lahaine.org)
Ocurrió la noche del domingo en la ciudad ocupada de Dakhla. El activista y defensor de DDHH saharaui, miembro del Comité contra la Tortura (OSCT) de esta ciudad, Hassana El Wali, miembro de la Organización Saharaui contra la Tortura, moría en el hospital militar de Dakhla.

Pagine

Abbonamento a Askapena aggregatore - EH Lagunak (pt)