Le campagne dei popoli sono deboli solo quando il cuore delle donne che non partecipano

Jose Martí

Tu sei qui

EH Lagunak (pt)

Albokaris nas ruas de Bilbo [Aste Nagusia, 2009]

ASEH-Lisboa - OT, 07/18/2014 - 23:31
Kalejira [Vídeo de Gabirel] Konzentratzioa [Vídeo de Koska Irratia]

O refugiado Jokin Aranalde foi preso e extraditado

ASEH-Lisboa - OG, 07/17/2014 - 23:34
O refugiado político basco Jokin Aranalde (Gaztelu, Gipuzkoa) foi preso esta tarde, pelas 16h00, no País Basco Norte. Saiu de uma consulta em Beskoitze (Lapurdi) e dirigia-se para Baiona quando foi detido «de forma violenta», referiu a sua mulher.

Depois de sair da consulta, Aranalde, que se encontrava acompanhado pela mulher, dirigiu-se para Baiona. Pouco depois, já na auto-estrada, apareceram várias viaturas, cujos ocupantes, segundo afirma Gotzone Ijurko, os obrigaram a parar à ponta de pistola. Ainda de acordo com a esposa, a detenção foi violenta, com Aranalde a ser retirado do carro com algemado. Mais tarde, Gotzone recebeu uma chamada da esquadra de Donostia a dizer-lhe que o marido ali se encontrava e que seria levado para o tribunal de excepção espanhol, mas sem precisar quando.

Compromisso firme
Jokin foi detido, em Heleta (Nafarroa Beherea), a 24 de Junho do ano passado, na sequência do comício realizado, a 15 do mesmo mês, pelo Colectivo de Refugiados Políticos Bascos (EIPK) em Miarritze. Aranalde é membro do grupo de diálogo do EIPK.

No dia 25 de Setembro de 2013, o Tribunal de Pau, depois de várias sessões a estudar o mandado europeu emitido contra Aranalde pela AN espanhola, deu luz verde à sua extradição, mas os seus advogados interpuseram um recurso. A 30 de Outubro, o Tribunal de Cassação de Paris indeferiu o recurso e aprovou a extradição para o Estado espanhol.

No dia seguinte, Jokin Aranalde comunicou, numa carta, que assumia uma «atitude insubmissa», na medida em que, enquanto porta-voz do EIPK, o seu compromisso é o de trabalhar até «que o último refugiado e deportado regresse a Euskal Herria, para que todos possam viver num país livre».

Concentrações em Ibarra e Hendaia
Para denunciar a detenção de Aranalde, foi convocada uma concentração para hoje, às 20h00, na Ibarrako plaza, em Ibarra – localidade onde Jokin viveu muitos anos –, e outra para amanhã, às 19h00, em Hendaia, junto ao Casino velho. / Ver: naiz.eus e Berria

Refugiados políticos bascos. «Herria dugu arnas»O povo é a nossa força, e a razão, e o apoio, e o objectivo. Herria dugu arnas.

Luis Goñi castigado e transferido para Algeciras

ASEH-Lisboa - OG, 07/17/2014 - 23:33
Luis Goñi, preso político basco natural de Barañain (Nafarroa), foi transferido para a cadeia de Algeciras (Andaluzia) como castigo por ter discutido com um funcionário prisional em Daroca (Saragoça), cadeia onde se encontrava com outro preso político basco. Ambos foram classificados como presos de primeiro grau (o regime penitenciário mais restritivo) e receberam ordem de transferência para cadeias bem mais distantes de Euskal Herria: Algeciras e Monterroso (Galiza).

Foi o próprio preso político de Barañain que comunicou estes factos aos seus familiares por telefone. Ao que parece, depois de uma discussão sem qualquer importância com um funcionário, um outro tomou o assunto em mãos, criando relatórios sobre os dois presos que se iriam traduzir no castigo referido. / Ver: ahotsa.info

DEFESA DOS DIREITOS DOS PRESOS... PARA A MONTANHA
Praticantes de desportos de montanha de Euskal Herria – de escalada, alpinismo e de outras disciplinas – lançaram a iniciativa «Mendira» [para a montanha], com a qual pretendem levar a reivindicação da defesa dos direitos dos presos e dos refugiados políticos bascos das ruas para os montes. A iniciativa foi apresentada na terça-feira, 15, em Donostia, por um conjunto de desportistas. / Mais informação: naiz.eus e Mendira

EM SANTURTZI, HÁ TXOSNA!
Goza as festas desta terra costeira biscainha e apoia os presos políticos bascos na txosna respectiva. O ambiente é óptimo, dizem, e as bokatas têm nomes mais que sugestivos!... / Mais informação aqui e aqui.

Ahaztuak 1936-1977 e Askapena: «18 de julio. Porque tenemos memoria: No a la impunidad franquista, No a la impunidad sionista»

ASEH-Lisboa - OG, 07/17/2014 - 23:32
Del mismo modo y entendiendo que la Memoria Histórica Democrática y Antifascista no es algo que solo tenga referencias al «pasado» sino que nos lleva a ver que el autoritarismo de corte fascista no es desgraciadamente algo ya superado queremos denunciar tambien el fascismo que con el nombre de sionismo está hoy golpeando nuevamente desde el estado de Israel al pueblo palestino arrasando de forma cruel y trágica bajo las bombas el territorio de Gaza al igual que hizo con Gernika en 1937(boltxe.info)

«18 de julio en Gasteiz: Concentración contra la impunidad del franquismo», de Plataforma Vasca contra los Crímenes del Franquismo (SareAntifaxista)
Este viernes 18 de julio se cumplen 78 años de aquella sublevación cívico-militar derechista bautizada como «santa cruzada» por la jerarquía católica española y que provocó una guerra desigual en la que los golpistas contaron con la ayuda de los ejércitos de Hitler y Mussolini.

«Memoria antifascista», Andoni BASERRIGORRI (BorrokaGaraiaDa)
El antifascismo nunca puede ni debe ser una estética ni una manera de vestir o una determinada música. El antifascismo es ante todo compromiso y lucha, determinación para hacer frente a quienes llevan siglos amargándonos la vida, a quienes nos niegan todos los derechos que como clase, personas y nación nos corresponden. El antifascismo es internacionalismo y amor hacia otros pueblos que luchan en lejanas o cercanas tierras pero por los valores antes citados.

Milhares de pessoas nas ruas de Euskal Herria contra a repressão sionista

ASEH-Lisboa - OG, 07/17/2014 - 23:31
Hoje, milhares de pessoas deixaram claro nas ruas de Euskal Herria o seu repúdio pelo ataque do Exército sionista ao povo palestiniano. O Komite Internazionalistak e a Askapena fizeram um apelo à intensificação do bloqueio e da pressão sobre Israel como forma de ajuda à Palestina, pois «não é possível ficar de braços cruzados face a um genocídio imparável»; pediram também o fim do bloqueio imposto a Gaza em 2006.
Milhares de pessoas participaram nas mobilizações dos últimos dias e nas manifestações de hoje em Bilbo (milhares), Billabona, Donostia (mil), Eibar, Elgoibar, Ermua (80), Errenteria, Gasteiz (500), Ibarra, Iruñea (700), Oñati, Plentzia, Tolosa (300), Zumaia. [Os números apontados são referidos no Komite Internazionalistak. / Ver também, com muitas fotos: topatu.info]

Leitura:
«Telavive é Europa», de Bruno CARVALHO (manifesto74)
Não sei que efeito terão tido as suas palavras sobre os militares israelitas que esta tarde metralharam quatro crianças que jogavam futebol numa praia de Gaza. Mais um aborrecimento para os porta-vozes do único país que não tem regime no Médio Oriente. A única democracia da região teve de inventar uma desculpa para o acontecimento. Aos dóceis correspondentes estrangeiros bastou-lhes a razão apresentada: na praia, havia um contentor que era do Hamas. Não havia necessidade para tanto esforço. Se lhes dissessem que os chapéus-de-sol eram propriedade daquela organização, também servia.

A segunda marcha ciclista contra o TGV vai percorrer a Bizkaia

ASEH-Lisboa - AZ, 07/16/2014 - 23:35
A II Marcha Ciclista contra o TGV, organizada pelo Mugitu! Mugimendua, irá decorrer entre 25 de Julho e 2 de Agosto no território da Bizkaia e terá como lema «Herririk herri, txikizioaren aurka mugi!» [de terra em terra, mexe-te contra a destruição].

A edição deste ano da marcha «desobediente» vai percorrer inúmeras localidades e comarcas biscainhas: começa em Durangaldea e, depois de atravessar Arratia, Txorierri, Urdaibai, Uribe Kosta, Ezkerraldea, Enkarterriak e Hego-Uribe, termina em Bilbo. Com esta iniciativa, o Mugitu! pretende divulgar o repúdio ao TGV.

Os organizadores querem juntar-se «a grupos e pessoas que resistem à desfiguração do território em localidades e bairros», bem como realizar encontros com a população directamente afectada por esta infra-estrutura e com colectivos que estão a lutar pela defesa da terra e a levar a cabo iniciativas com vista à sua recuperação colectiva. / Ver: naiz.info / Ler comunicado e ver programa: mugitu!

Corte de estrada em Sakana pela libertação dos presos doentes [vídeo]

ASEH-Lisboa - AZ, 07/16/2014 - 23:34
No dia 12 de Julho, na auto-estrada junto a Arbizu (Sakana, Nafarroa).No dia 12, um grupo de desconhecidos cortou a auto-estrada junto a Arbizu (Sakana, Nafarroa) para reivindicar a libertação dos presos políticos bascos com doenças graves.
A acção foi realizada em solidariedade com Ventura Tomé (Tafalla, Nafarroa), Ibon Iparragirre (Ondarroa, Bizkaia) e demais militantes bascos com doenças graves sequestrados nos cárceres espanhóis e franceses. / Ver: topatu.info e ahotsa.info

Acção em Basauri contra o massacre do povo palestiniano [vídeo]

ASEH-Lisboa - AZ, 07/16/2014 - 23:33
Iniciativa da Ernai de Basauri (Bizkaia)Com esta acção, a organização juvenil basca pretendeu denunciar o genocídio do povo palestiniano perpetrado pelo Estado de Israel. A pintura de uma parede de uma loja do Carrefour insere-se na campanha de boicote aos produtos israelitas. / Ver: lahaine.org
Lista actualizada das mobilizações convocadas para os próximos dias, em Euskal Herria, em solidariedade com o povo palestiniano e contra o Estado sionista e os seus colaboradores - em Komite Internazionalistak e Askapena

Carlo Frabetti: «La tortura como estrategia política»

ASEH-Lisboa - AZ, 07/16/2014 - 23:32
La tortura, la más repugnante forma de represión y de abuso de poder, es obviamente incompatible con el Estado de derecho, y por eso su práctica sistemática nunca es reconocida. Pero negar la evidencia de la tortura es cada vez más difícil. Cada vez requiere mayor cinismo por parte del poder y mayor necedad por parte de quienes se creen sus mentiras y omisiones, pues el conocimiento de los hechos objetivos -los obstinados hechos- está, cada vez más, al alcance de cualquiera que tenga acceso a un ordenador. (boltxe.info)

«El PNV colaboró en el cierre de Egin», de Igor MELTXOR (lahaine.org)
Se cumplen 16 años del cierren de los medios de comunicación EGIN y EGIN IRRATIA. [...]Este relato trata de demostrar la colaboración directa y necesaria del PNV en la clausura del diario EGIN. Sin ellos nunca hubiera sido posible.

«Nota de repúdio à violência policial que feriu 15 jornalistas e comunicadores neste domingo (13/07)», de Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (PCB)
Sob a justificativa da garantia da ordem durante a final da Copa do Mundo, neste domingo (13/7), no Maracanã, o Estado brasileiro e o governo estadual do Rio de Janeiro ignoraram direitos individuais e coletivos de brasileiros e visitantes, assim como cassaram a liberdade de expressão e a de imprensa. O aparato militar armado utilizado para reprimir as manifestações que ocorreram ao longo do dia na Tijuca resultou em prisões arbitrárias, ferimentos e no cerceamento do ir e vir de manifestantes e também de pelo menos 15 jornalistas e comunicadores populares.

VII Cadeia Humana pola Liberdade d@s pres@s independentistas, em Compostela

ASEH-Lisboa - AZ, 07/16/2014 - 23:31
Por sétimo ano consecutivo o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR organiça a VII ediçom da Cadeia Humana pola liberdade das/os presas/os independentistas que terá lugar o día 24 de Julho às 18h na Praça da Galiza (Compostela).

«A Cadeia Humana é por excelência o ato reivindicativo anual no que se exige a repatriaçom das/os independentistas galegas/os presas/os, a suspensom das estratégias de extermínio carcerário e a liberdade de quem se encontram desterradas/os por participarem no processo de liberaçom nacional e social da Galiza.» / Ler comunicado em Diário Liberdade [Ante a repressom espanhola, solidariedade imparável!]

Ampla presença basca na homenagem aos refugiados do campo de Gurs

ASEH-Lisboa - AT, 07/15/2014 - 23:34
Vários colectivos bascos concentraram-se na pequena localidade occitana de Gurs (Estado francês) para evocar e homenagear os milhares de homens e mulheres que, depois da guerra de 36, estiveram no campo de refugiados e de concentração, em condições infra-humanas. Muitos deles viriam a perder ali a vida. Estiveram presentes na iniciativa membros da Sare Antifaxista, do Vegan Pays Basque, do IpEH Antifaxista, do Boltxe Kolektiboa e do colectivo occitano Action Antifascista de Pau.

Republicanos, antifascistas, abertzales, anarquistas e membros das brigadas internacionais foram metidos num campo, localizado nas imediações de Gurs, que não reunia as mínimas condições de dignidade humana. Para a República francesa, estas pessoas eram, na verdade, um incómodo.

O campo começou a ser construído pelo Governo francês em Março de 1939. Devido à sua proximidade com Euskal Herria, era para albergar refugiados bascos, após a queda da frente da Catalunha. Contudo, face à avalanche de refugiados do Estado espanhol que entravam em França por esta fronteira, as autoridades tiveram de ampliar o campo e internaram nele todo o tipo de combatentes provenientes da Espanha republicana. Foi o campo de internamento mais importante de França.

O campo de Gurs permaneceu em funcionamento durante sete anos (1939-1946), sendo o de maior duração no Estado francês. Ali deixaram a vida centenas de refugiados bascos e republicanos, passando por condições de vida absolutamente indignas. / Ver: boltxe.info e SareAntifaxista

CONCENTRAÇÃO DIA 18 CONTRA A SIMBOLOGIA FASCISTA
A Ahaztuak 1936-1977 convocou para a próxima sexta-feira, 18 - dia em que passam 78 anos sobre o golpe fascista -, uma concentração em Bilbo contra o modelo espanhol de impunidade para com os crimes e criminosos franquistas e para exigir que os símbolos fascistas sejam retirados das ruas de Euskal Herria. / Ver: boltxe.info

O preso Imanol Iparragirre foi libertado

ASEH-Lisboa - AT, 07/15/2014 - 23:33
O preso político basco Imanol Iparragirre, natural de Pasai Antxo (Gipuzkoa), foi libertado esta tarde, segundo apurou a Oarso Bidasoko Hitza. Os seus familiares e amigos dirigiram-se para a cadeia de Zuera (Saragoça) depois de Imanol lhes ter ligado a comunicar a libertação, que, em princípio, deveria ocorrer a 7 de Agosto. Deve chegar a Pasaia por volta da meia-noite.

Imanol Iparragirre passou quase sete anos na cadeia - desde que, em Outubro de 2007, foi detido na operação de Segura contra o Batasuna. Foi depois condenado no processo 18/98, na parte relativa ao Ekin. / Ver: oarsobidasoa.hitza e naiz.info

FESTAS DE SANTURTZI: AMANHÃ TODOS AO PORTO
As festas da localidade costeira biscainha de Santurtzi (Ezkerraldea) começaram no dia 11 e prolongam-se até dia 20, e a solidariedade com os presos e os refugiados políticos bascos não foi esquecida, naturalmente.
Amanhã, 16 de Julho, às 18h00, todos ao porto de pesca! / Ver: Santurtzi_preso_eta_iheslariak [Euskal preso eta iheslariak etxera! Denok batera lortuko dugu!]

Borroka Garaia: «Contrabando de ideas hacia la independencia» [com vídeo]

ASEH-Lisboa - AT, 07/15/2014 - 23:32
Los curillas de todo tipo se han esforzado durante siglos por consolar al de abajo mediante limosnas que limpian conciencias sin explicarle el porqué de su situación, ya que eso supondría desmontar toda su infraestructura propagandística e invertirla en el combate real contra la pobreza que no es otro más que terminar con los que acumulan capital mediante la explotación. Y como estos curillas nunca se han enfrentado ni al feudalismo ni al capitalismo sino que siempre han formado oportunamente parte imprescindible del poder, han tenido que prometer el paraíso y la salvación en otra vida después de la muerte. Si haces lo que dicen, claro está. Que el cielo también tiene cuota mensual. (BorrokaGaraiaDa)

«Palestina sob ocupação: o sequestro sionista», de Ramón PEDREGAL CASANOVA (Diário Liberdade)
Desde 1967 o exército sionista de ocupação tem sequestrado 750 mil palestinos. Setecentos e cinquenta mil. [Em castelhano: lahaine.org]

Sanferminak 2014: «encierro de la Villavesa» limpo e sem incidentes [vídeo]

ASEH-Lisboa - AT, 07/15/2014 - 23:31
O último encierro das festas de San Fermin [aquele de que a malta da aseh gosta] decorreu sem incidentes, pois os touros da ganadaria de Carmen Alba [a delegada do Governo, representante oficial da ocupação espanhola em Nafarroa] se mantiveram a uma distância prudente [ao contrário de anos anteriores, em que, por incrível que pareça, aquilo que se vê no vídeo era reprimido com grande violência].Correu-se a duas velocidades: devagar e devagarinho... pois os dias de festa pesam. Em todo o caso, e tal como em edições passadas, com ou sem chifrudos por perto, a alegria e o bom humor dominaram a corrida. / Ver: ahotsa.info

Jovens da Aitzina devolvem a Paris placas de terras bascas com nomes em francês

ASEH-Lisboa - AL, 07/14/2014 - 23:34
Membros da organização juvenil Aitzina levaram a cabo uma acção no âmbito do dia nacional da República Francesa, retirando cerca de cem placas com nomes em francês de localidades de Ipar Euskal Herria [País Basco Norte], e devolvendo-as ao dono, metendo-as num comboio com destino a Paris.

Numa nota de imprensa, os jovens afirmam que, com esta acção, pretendem denunciar a falta de apoio e de reconhecimento institucional pelo euskara por parte das autoridades francesas, bem como a atitude repressiva do Estado francês para com a sociedade basca.

Chamam ainda a atenção para o facto de a França usar o francês como um instrumento eficaz de assimilação, que neutraliza as características identitárias, culturais e linguísticas de cada lugar e que tem como objectivo a criação de uma identidade única.

Antes do final, afirmam: «Não temos nada para celebrar. Sempre lutámos por uma Euskal Herria livre e euskaldun, e a acção de hoje é uma manifestação disso. Não deixemos que Estado francês molde o nosso nome e a nossa identidade». Ver: topatu.info e aitzina.eu

A Guarda Civil intima Amaia Izko a depor como acusada pelo brinde aos presos

ASEH-Lisboa - AL, 07/14/2014 - 23:33
Amaia Izko, porta-voz nacional do Sortu e advogada navarra bem conhecida, foi intimada a depor como acusada, pela Benemérita, por ter participado no brinde aos presos e aos refugiados políticos bascos que se realizou em Iruñea a 6 de Julho, num acto em que se reivindicou o respeito pelos direitos destes cidadãos.Ver: ahotsa.info [Zai dago ama, zai aita / zai andre ta lagunak / hator, hator Euskadira, / hator, hator etxera]

Ver: «O Sortu exige que se deje sin efecto la imputación de Amaia Izko y que se deje de criminalizar la solidaridad con los derechos de los presos y presas políticos vascos» (sortu.net)

Fim à agressão sionista! Solidariedade com a Palestina

ASEH-Lisboa - AL, 07/14/2014 - 23:32
Têm sido muitas as mobilizações realizadas em Euskal Herria em protesto contra o brutal ataque do Estado sionista ao povo palestino. Houve concentrações em Iruñea, Bilbo e Donostia; também em Orereta, Hernani, Ordizia, Andoain (Gipuzkoa), Altsasu (Nafarroa), e Ondarru (Bizkaia), entre outras. Para além disso, em muitos pontos do País Basco foram afixadas pancartas solidárias com povo palestiniano. / Fotos: Palestina Aurrera (Askapena)
Mais informação sobre as mobilizações convocadas para os próximos dias em Gasteiz (dia 16), Bilbo (17), Iruñea (17), Iturmendi (20), em askapena.org

HOJE, EM LISBOA
Muita gente na concentração que hoje se realizou no Rossio, convocada por diversas organizações, contra a agressão sionista ao povo da Palestina.
Ler também: «Solidariedade com trabalhadores e povo da Palestina», de CGTP-IN (cgtp.pt)

Berri Txarrak: «Bisai Berriak»

ASEH-Lisboa - AL, 07/14/2014 - 23:31
Bide guztiak Elorriora! Todos os caminhos vão dar a Elorrio. [Aio!]Canção do Gazte Topagunea de 2002, em Elorrio. [Hitzak / Letra]

Centenas de pessoas exigiram em Gasteiz a libertação dos presos com doenças graves

ASEH-Lisboa - IG, 07/13/2014 - 23:33
Centenas de pessoas manifestaram-se ontem, dia 12, pelas ruas de Gasteiz para reclamar a libertação dos presos políticos bascos que têm doenças graves. No acto final, que decorreu na Andra Mari Zuriaren plaza, afirmou-se que «a situação é particularmente grave e preocupante».

A manifestação, convocada pela Sare, partiu da entrada do Hospital Santiago. À frente, seguiam uma espécie de ambulância e cartazes informativos sobre a situação dos presos doentes. Depois, amigos e familiares do preso político José Ramón López de Abetxuko e profissionais do sector da Saúde levavam uma faixa.

López de Abetxuko é gasteiztarra, tem 64 anos e encontra-se preso há 24 - passou a maior parte deste tempo doente; tem uma cardiopatia grave. Em Maio, foi lançada uma campanha de recolha de assinaturas para exigir a sua libertação.

No acto final, os presentes afirmaram que a situação dos presos doentes é bastante afectada pela sua estada na cadeia, tendo exigido a mudança da política penitenciária e o abandono imediato das medidas de excepção. «Está na hora de acabar com as medidas de excepção, de mandar para casa os presos doentes e de derrubar o muro da dispersão», acrescentaram.

«Situações extremas»
Foram referidos vários casos de presos políticos cujas situações são «extremas», como Ventura Tomé, Txus Martin, Aitzol Gogorza, Ibon Fernández Iradi e Ibon Iparragirre. No que respeita a este último, têm-se sucedido as mobilizações nas últimas semanas; para além disso, a plataforma Iparra Galdu Baik deu início a uma campanha de recolha de apoios e fez um apelo a colectivos e instituições para que enviem cartas ao Tribunal de Vigilância Penitenciária a denunciar a situação de Ibon. / Ver: Berria e naiz.info

Juanjo Basterra: «Kutxabank perdona deuda a partidos, desahucia a los parados»

ASEH-Lisboa - IG, 07/13/2014 - 23:32
Yendo a este último partido [PNV], que es el que controla Kutxabank, se da la circunstancia, por otro lado, que además ese partido tiene contratados más de 11 millones en créditos con el banco que controla. No esta claro si es en conjunto de las tres cajas o sólo de BBK. Pero ¿cómo puede ser que si la deuda es tan alta, la tercera más alta ente los partidos del Estado español, reciben préstamos y créditos mientras que a familias que adeudan muchísimo menos se les quitan los pisos? (lahaine.org)

«La muerte de un patriota», de Josemari LORENZO ESPINOSA (BorrokaGaraiaDa)
Acaba de morir Lander Gallastegi. Me lo acaban de decir. Y es una de esas noticias negras, a la que tardaremos mucho en acostumbrarnos.

«(Co)Responsables de la dispersión», de AA.VV. (*) (BorrokaGaraiaDa)
Por eso requerimos del PNV una autocrítica reconociendo el mal causado con su apoyo a las políticas de excepción, entre cuyas consecuencias cabe destacar el balance trágico de 16 personas fallecidas y decenas de heridas, entre familiares y personas allegadas, a consecuencia de accidentes de circulación en las rutas de la dispersión.
[(*) Josu Beaumont Barberena, Eugenio Etxebeste Arizkuren, Mertxe Galdos Arsuaga, José Ramón Martínez de la Fuente, Jesús Mari Zabarte Arregi e Iñaki Zugadi García]

Pagine

Abbonamento a Askapena aggregatore - EH Lagunak (pt)