Sarà che i poveri sono poveri perché la loro fame ci dà da mangiare e la loro nudità ci veste?

Eduardo Galeano

Tu sei qui

EH Lagunak (pt)

Terminou em Etxarri a greve de fome pela libertação dos presos doentes

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:34
Numa nota, o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) informou que o ex-preso Fernando Lizeaga pôs fim à greve de fome - que mantinha há 25 dias - pela libertação imediata dos presos políticos bascos com doenças graves.

No texto, o MpA agradece a Lizeaga e também aos ex-presos políticos Joxean Kortadi, Izaskun Etxeberria e Angel Erdozia, pela greve de fome por tempo indeterminado que realizaram para reivindicar a liberdade dos presos doentes.

O MpA recorda que não estiveram sozinhos nessa dura luta, pois os presos políticos na cadeia espanhola de Huelva mantém a greve de fome rotativa que iniciaram há 23 dias, havendo, para além disso «vários focos de luta acesos» tanto nas cadeias como nas ruas.

Exemplo disso é a luta de Aletxu Zobaran e Ibon Goieaskoetxea na cadeia francesa de Valence: estão há 32 dias metidos nas celas de castigo e em greve às comunicações. «As prisões continuam em luta porque a opressão dos estados se mantém vigente», sublinha o MpA.

A leitura que o MpA faz da greve de fome em Etxarri é «muito positiva»: «para lá do boicote informativo, esta luta serviu para voltar a despertar consciências e deixar a nu a mentira da situação de falsa "normalização e paz" que nos querem impor», afirma.

Em Etxarri viu-se a dignidade dos grevistas, a coragem dos manifestantes um povo solidário, comprometido e lutador, que abriu as portas de suas casas a quem fugia da violência policial. Por outro lado, também foi possível ver a face da opressão, da ocupação e da falta de liberdade, a imagem de uma terra ocupada pela Guarda Civil armada com material de guerra, sublinha.

O MpA agradece ao povo de Etxarri e saúda todas as pessoas que «de uma ou outra forma apoiaram todas estas lutas». No futuro, «a luta e a organização serão também as ferramentas mais importantes para se alcançar a amnistia total», conclui. / Ver: lahaine.org

Ver tb: «O MpA apela à participação na manifestação pela amnistia no dia das estropadak» (amnistiAskatasuna: 1 e 2)

Jornadas solidárias de Euskal Herria 2016

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:33
As «2016ko Euskal Herriko elkartasun jardunaldiak» começam hoje em Hendaia (Lapurdi) e terminam em Orereta (Gipuzkoa), no dia 24. Pelo meio, desenrolam-se em mais oito locais, com o objectivo de «denunciar e divulgar alguns casos de repressão».

Num manifesto agora publicado pelos promotores, refere-se que colectivos e indivíduos de diversas ideologias se juntaram para dar a conhecer a repressão exercida pelo Estado. Em seu entender, a unidade é fundamental para fazer frente a esta situação.

No texto, afirma-se que «o Estado espanhol, enquanto instrumento de defesa do capitalismo, exerce a repressão sobre aqueles que põem em risco os seus interesses de classe, para fazer claudicar os movimentos revolucionários».

Os promotores entendem que é necessário «fazer frente aos casos de repressão, não claudicar e continuar a lutar», porque, com o capitalismo, «a repressão sobre a classe trabalhadora não irá parar». É com base neste entendimento que promovem as jornadas, «para reforçar a solidariedade face à repressão do Estado espanhol e para mostrar que a repressão é algo de muito próximo».

Organizadores e colaboradores: 1909 Real Fans, Amnistiaren aldeko eta errepresioaren aurkako mugimendua, Beasaingo Gazte Asanblada, Gasteizko Kanpuseko Ikasle Abertzaleak, Hendaitz -Hendaiako Gazte Asanblada-, Irungo Askapena, Irungo Gazte Asanblada, Oreretako Gazte Asanblada, Oreretako Gazte Bloke Antifaxista, Urtarrilaren 27an atxilotutako internazionalisten aldeko plataforma. / Ver: BorrokaGaraiaDa [com programa]

José Goulão: «A ditadura dos governos ilegítimos»

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:32
A Fitch, um dos três principais monstros agindo globalmente segundo os interesses da agiotagem internacional sob a designação de «agências de notação de crédito», proclamou que a instauração das 35 horas semanais em Portugal e a modesta reposição de direitos sociais e laborais determinada pelo actual governo de Lisboa podem fazer com que o défice orçamental português de 2016 atinja – imagine-se! – uns estratosféricos 2,7%. Aliás, o FMI da senhora Lagarde – ela própria a contas com a justiça em França por ter enganado o Estado – tem repetido o mesmo refrão, alegando que a política social e laboral do governo de António Costa contradiz as metas do défice.

Vamos ver então o que inquieta esta frente de instituições que inventa e fabrica crises para que os especuladores possam usufruir da imparável torrente de dinheiro dos bolsos dos cidadãos contribuintes para alimentar o seu insaciável vício cleptómano. (Abril)

«Lo último sobre Venezuela», de Guillermo CIEZA (lahaine.org)
Es casi imposible entender lo que ocurre en Venezuela si se parte de prejuicios, en particular los que la asocian a los procesos de Brasil y Argentina. El haber planteado un horizonte socialista y el haber realizado algunos avances en esa dirección hace la diferencia y es lo que ha permitido un encarne popular del proyecto que le permitió sobrevivir en condiciones muy difíciles.
[...]
Por que a pesar de todas las dificultades o los horrores, como dijo una compañera el primero de setiembre, el chavismo volvió a ganarle en la calle a la oposición y ahora la derecha empieza a desesperarse porque ya descubrió que el tiempo no le juega a favor.

Bizardunak - «Oreoak»

ASEH-Lisboa - OT, 09/09/2016 - 22:31
Gente de EH que é como as «Oreos»: preta por fora, branca por dentro...
-Ya sabemos como son, Oreoak! Oreoak! / ellos saben quienes son, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Alkate abertzaleak, Oreoak! Oreoak! / que no quitan la española, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Euskal sionistak, Oreoak! Oreoak! / cocaina en vez de speed, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Los que pactaron con Aznar, Oreoak! Oreoak! / los que visten la roja, Euskal Herriko Oreoak!!!
-Antitaurinos que van, Oreoak! Oreoak! / a la plaza a merendar, Euskal Herriko Oreoak!!!

Nas cadeias e nas ruas, prossegue a luta pela libertação dos presos doentes

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:34
Fernando Lizeaga está há 25 dias em greve de fome, em Etxarri Aranatz (Nafarroa), e na cadeia de Huelva os presos políticos bascos estão a dar seguimento à greve de fome rotativa pela libertação imediata dos presos doentes. Para além destas, há outras lutas em curso e estão agendadas mobilizações pela amnistia e pelo repatriamento dos presos políticos.

Em Etxarri Aranatz, Joxean Kortadi abandonou a greve de fome no domingo passado (porque o corpo não aguentava mais). Por seu lado, Fernando Lizeaga cumpre hoje o 25.º dia em jejum para reivindicar a libertação imediata dos presos com doenças graves. Na cadeia de Huelva, começa o quarto turno da greve de fome rotativa levada a cabo pelos presos, findo o período de jejum cumprido pelo preso navarro Patxi Ruiz.

Para reforçar a reivindicação da libertação imediata dos presos bascos doentes, realiza-se amanhã, em Igorre (Bizkaia), uma concentração (19h30); e no gaztetxe de Senpere (Lapurdi) realiza-se um jejum solidário nos dias 10 e 11. Ambas as iniciativas são convocadas pelo Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA).

Outras lutas
Já na cadeia francesa de Valence, Aletxu Zobaran e Ibon Goieaskoetxea estão há 31 dias em luta pela transferência para uma prisão mais próxima de Euskal Herria. Permanecem no mitard (cela de castigo) e em greve às comunicações (visitas suspensas). Para apoiar à luta de Ibon e Aletxu, o MpA agendou, para hoje, uma concentração frente ao Consulado francês em Bilbo e, para dia 24, uma marcha à prisão de Valence.

Na cadeia francesa de Fleury, terminou a luta que os seis presos políticos bascos ali encarcerados levaram por diante durante quatro meses, exigindo o seu reagrupamento. A intensa luta deu frutos no passado dia 31 de Agosto, quando viram concretizadas as suas pretensões.

Manifestações
Como já ontem noticiámos, por ocasião das estropadak (regatas de traineiras) em Donostia, no dia 11, realizam-se duas marchas: uma convocada pelo MpA, para reivindicar a amnistia, e outra pela plataforma Free them all (ou o Sortu), para reclamar o repatriamento dos presos. Ambas partem do Boulevard, às 14h00 e às 13h30, respectivamente.

Também em Donostia, no dia 15 uma marcha convocada pela rede Sare irá percorrer a cidade a partir das 17h00 reclamando a liberdade para o presos doentes, no âmbito da campanha «Salatzen dut» (denuncio). / Ver: lahaine.org

Iruñea exumará os restos dos generais fascistas Mola e Sanjurjo

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:33
Os restos mortais encontram-se numa cripta na Askatasun Plaza [Praça da Liberdade, antiga Conde Rodezno], juntamente com seis corpos também já identificados. Paco Etxeberria, antropólogo da Arantzadi, terá a missão a seu cargo, acompanhado por uma equipa de antropólogos e biólogos. Com a conivência da UPN, o local tinha-se tornado num centro de enaltecimento dos generais golpistas.

Cumprindo a Lei da Memória Histórica - algo que a UPN se recusou a fazer por diversas vezes -, a Câmara Municipal de Iruñea [Pamplona] vai exumar os restos mortais dos dois generais fascistas e golpistas, juntamente com os de seis soldados de diferentes patentes, todos eles de Nafarroa e pertencentes exclusivamente ao lado fascista.

Isto soube-se depois de uma primeira inspecção realizada no final de Agosto para verificar o estado da cripta. Os restos serão entregues aos familiares, com os quais o município já se pôs em contacto. As exumações devem realizar-se nas próximas semanas.

Declarações de Asirón e Etxeberria [Ahotsa]Ver: ahotsa-info

Defensores dos fascistas
A decisão foi anunciada a 31 de Agosto e no dia seguinte apareceram pintadas, em Iruñea e Uharte, em que o presidente da Câmara de Iruñea, Joseba Asirón, era visado: «Asirón, atrévete con los vivos». Pelos vistos, a extrema-direita aceitou mal a decisão de exumar os restos dos generais fascistas. / Ver: SareAntifaxista

15 anos depois, memória de Abu Ali Mustafa

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:32
[Texto em euskara e fotos: Ibai Trebiño] Por ocasião do 15.º aniversário do assassinato de Abu Ali Mustafa, líder da Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP), centenas de palestinianos vieram para as ruas do campo de refugiados de Bdawai, perto da cidade libanesa de Trípoli, e prestaram-lhe uma homenagem.

A FPLP, de orientação marxista-leninista, foi fundada em 1967 por George Habash. Em 2000, Abu Ali Mustafa foi nomeado secretário-geral da organização. No ano seguinte, a 26 de Agosto, helicópteros da Força Aérea israelita disparam dois mísseis contra o seu escritório, em Ramallah, matando-o.

15 anos volvidos, os palestinianos mostraram que a sua memória continua viva. / Ver: argia

Jorge Cadima: «Propaganda de guerra»

ASEH-Lisboa - OG, 09/08/2016 - 22:31
A propaganda bélica é feita de mentiras bem publicitadas. Muitos lembrar-se-ão da campanha em 2014 sobre uma alegada violação de águas territoriais suecas por um «submarino russo». Poucos saberão que no início deste Verão, o ministro da Defesa sueco confessou que «o sinal de sonar, que os militares suecos consideraram o indício crucial da presença dum submarino estrangeiro perto de Estocolmo durante as buscas de 2014, era proveniente dum 'objecto sueco'» (RT, 12.6.16). A campanha serviu no entanto para «justificar um aumento de muitos milhões de dólares nas despesas militares» e para promover a adesão da Suécia à NATO. (avante.pt)

«Os índios da Pradaria», de Rui SILVA (manifesto74)
Em 1890 dá-se o tristemente célebre massacre de Wounded Knee, na reserva de Pine Ridge (Dacota do Sul), no qual foram mortos centenas de índios, incluindo mulheres e crianças. Depois de várias guerras, traições, promessas quebradas e imposição da fome e do sangue, as autoridades federais obtiveram por fim domínio sobre a Nação Lakota, que em todo o caso é coisa diferente de se dizer que os Lakota foram submetidos à vontade dos seus colonizadores.

[...]
A luta dos Lakota contra o Dakota Access Pipeline tem sido intensa, violenta e olimpicamente ignorada pela imprensa norte-americana e internacional. É precisamente por isso que deste espaço lanço aos índios da pradaria o meu grito de solidariedade e apoio à defesa da sua cultura, das suas terras, memória, identidade e forma de vida. Porque a luta dos Lakota pode não fazer parte dos espaços de entretenimento-informativo a que chamamos «telejornais» (e afins), mas não pode deixar de receber, nos espaços de comunicação livres dos «critérios editoriais» do sistema, o apoio e a divulgação merecida.

Manifestações pela amnistia e pelo repatriamento nas regatas de Donostia

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:34
O próximo domingo é dia grande na capital guipuscoana para as regatas [estropadak] das traineiras: disputa-se a segunda jornada da Kontxako Bandera [Bandeira da Concha] e muitos milhares vão juntar-se em redor da baía para assistir. É neste contexto que o Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão (MpA) vai realizar uma manifestação em defesa da amnistia.

A mobilização, com o lema «Geurea da garaipena! Amnistia!», parte às 14h00 do Boulevard donostiarra.

Para o mesmo dia e o mesmo local, mas meia hora mais cedo, a plataforma Free them all convocou uma mobilização para exigir o repatriamento dos presos bascos, sob o lema «Amnistiaren norabidean preso eta iheslariak etxera».

Leitura:
«¿Qué sucede durante una huelga de hambre?», de Borroka Garaia (BorrokaGaraiaDa)
El ex-preso político Fernando Lizeaga hoy cumple 24 días en huelga de hambre indefinida en la localidad de Etxarri Aranatz por la liberación de los presos políticos con enfermedades graves. En el 2016, en Euskal Herria, todavía hay gente que pone en peligro su vida por la libertad de su país y de sus presos y presas. Fernando Lizeaga es una de ellas. Una llamada a Euskal Herria para recoger el testigo y que todos y todas demos algo para que unos pocos y pocas no lo den todo.

TC não aceitou apreciar recurso de Otegi, impedindo-o de se candidatar

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:33
O Tribunal Constitucional espanhol decidiu por unanimidade, ontem, não apreciar o recurso de amparo apresentado por Arnaldo Otegi; na prática, isto significa que Otegi fica definitivamente impedido de se apresentar às próximas eleições como candidato a lehendakari pelo EH Bildu.

O tribunal, que podia decidir até à meia-noite de quinta-feira (antes do início da campanha eleitoral para o Parlamento de Gasteiz), reuniu-se ontem à tarde para estudar este e outros recursos apresentados na Junta Eleitoral. Os cinco magistrados demoraram pouco mais de uma hora a tomar a decisão. Não aceitam apreciar o recurso por considerarem que não existe «violação de um direito fundamental».

Com esta decisão, o dirigente independentista não pode ser candidato às eleições de 25 de Setembro. Embora possa recorrer ainda para o Tribunal de Estrasburgo, este pode levar anos a pronunciar-se. / Mais info: naiz e Berria

Ver tb: «El TC cierra el paso a Otegi evitando incluso tener que argumentarlo» (Gara)

Libertado na sexta-feira, Eneko Etxaburu foi recebido por centenas em Ondarru

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:32
O ondarroarra foi detido pela Polícia espanhola no âmbito das operações levadas a cabo em 2008 contra a juventude independentista. Foi libertado no passado dia 1, depois de cumprir seis anos de pena, e, ao final da tarde, foi recebido por centenas de pessoas na sua terra natal.
Em 2008, a Polícia espanhola prendeu oito jovens da comarca biscainha de Lea-Artibai, por ordem do infame Grande-Marlaska, do tribunal de excepção espanhol.
Esta operação foi uma de cinco que tiveram lugar em poucos meses contra os jovens da Segi, depois das ocorridas em Donostia, Getxo (Bizkaia), Gasteiz e Burlata (Nafarroa). Etxaburu, tal como os demais detidos, afirmou ter sido duramente torturado.
Cumpriu seis anos de pena e, na sexta-feira, saiu da cadeia de Logroño. Ao fim da tarde, por volta das 20h00, Eneko recebeu um enorme ongi etorri [Ondarru style].
A Alde Zaharra era um mar de gente, que o aplaudiu, lhe deu presentes, lhe cantou bertsos, músicas. As fontes que o Turrune! reuniu são bem elucidativas. / Ver: topatu.eus / FOTOS: Enekori ongietorria (Turrune)

João Almeida Moreira: «E Lulia chagou ao poder»

ASEH-Lisboa - AZ, 09/07/2016 - 22:31
O autor deste artigo, o jornalista brasileiro João Almeida Moreira, recorda o sombrio passado político de Michel Temer. O oportunismo permanente do seu partido, o PMDB, e o amoralismo do homem que desempenhou um papel importante no golpe parlamentar que destituiu Dilma Rousseff abrindo-lhe as portas da presidência do Brasil. (odiario.info)

«A verdade verdadinha de Caracas», de Alfredo MAIA (Abril)
Por muito que tente disfarçar os seus compromissos e interesses, estes, de resto, em franco progresso na América Latina, e por muito que o seu director alegue que «o único delito que comete é informar sobre a Venezuela com certa frequência», a torrente de notícias e editoriais de El País não dissimula o evidente desequilíbrio, o ostensivo posicionamento anti-chavista e a adesão a uma retórica agressiva tão favorável à desestabilização do país almejada pela direita.

Entrevista a Pedro Francés, a propósito de «Buñuel, 1936-2016»

ASEH-Lisboa - AT, 09/06/2016 - 22:34
Buñuel é um exemplo da forma como as feridas mal fechadas do golpe fascista de 36 continuam a deitar pus. No passado dia 26 de Agosto, um grupo de habitantes da localidade realizava um acto evocativo dos assassinatos cometidos há 80 anos. A neta de um dos «cuneteros» de Buñuel investiu contra os que ali se juntaram, ferindo ligeiramente Lucio Urtubia, e um militante da UPN ameaçou-os.

Buñuel, Verão de 2016. A terra da Erribera navarra recebe a equipa do Ahotsa com um calor asfixiante e uns olhares não menos asfixiantes, que passam do receio ao ódio quando vêem os repórteres a gravar imagens das violações da Lei da Memória Histórica espalhadas pela terra.

Pedro Francés, escritor e memorialista, segue com a equipa. Há seis anos que organiza um acto evocativo das pessoas fuziladas a 26 de Agosto de 1936. Este ano, a notícia foi o facto de ter havido um ferido, na sequência de incidentes provocados por um familiar dos golpistas.

Junto ao cemitério de Buñuel, onde há um monumento de homenagem aos assassinados naquele dia, Pedro Francés explica o que se passou, fala do pouco envolvimento dos sucessivos governos municipais de UPN e PSN na memória histórica e revela um dado «curioso»: quem manda agora na terra são os filhos dos que fizeram o golpe há 80 anos.

P. Francés: «Intentan que la gente se calle, tenga miedo y haga dejación a su derecho a recordar»Ver: ahotsa.info

Dia 10, em Bermeo: «Visca la Terra!»

ASEH-Lisboa - AT, 09/06/2016 - 22:33
A organização internacionalista basca Askapena e um grupo de catalães residentes em Bermeo (Bizkaia) prepararam um programa lúdico e reivindicativo para dia 10 de Setembro, véspera da Diada - o Dia nacional da Catalunha. Em plenas festas da localidade costeira biscainha, quem ali estiver terá oportunidade de conhecer um pouco melhor a cultura catalã.

A partir das 17h00, o encontro dos bascos com a Catalunha inclui culinária, dança, canções ou a pintura de um mural.

Às 22h00, realiza-se o acto político. Segue-se de imediato um correfoc [El correfoc de Peluts de Foc]. Depois, começam os concertos, com a actuação das bandas Itziarren Semeak, Brigada Improductiva e Arkada Social.

Datorren irailaren 10ean Bermeoko jaietan, Visca la Terra!
Dia 10 de Setembro, nas festas de Bermeo, Visca la Terra!Com um pouco de euskara biscainho costeiro e um pouco de catalão. / Ver: askapena.org

Thierry Meyssan: «Los proyectos (diferentes) de creación de un Kurdistán»

ASEH-Lisboa - AT, 09/06/2016 - 22:32
El actual proyecto de Kurdistán, con respaldo de Estados Unidos y Francia, no tiene nada que ver con el proyecto que esos mismos países reconocieron como legítimo en 1920, en la Conferencia de Sevres. ¡El proyecto actual ni siquiera se sitúa en los mismos territorios! Este seudo Kurdistán sólo es la zanahoria que los occidentales muestran a los kurdos de Siria para utilizarlos contra la República Árabe Siria. Su creación no resolvería el problema kurdo y provocaría un conflicto comparable al que ya dura desde hace más de 70 años entre Israel y los palestinos. Desentrañando la situación actual, Thierry Meyssan pasa revista a las posiciones contradictorias de las 9 principales potencias exteriores implicadas. (redroja.net)

«Serás um pateta com a mente controlada pela CIA?», de Paul CRAIG ROBERTS (resistir.info)
A expressão «teoria da conspiração» foi inventada e posta a circular no discurso público pela CIA, em 1964, a fim de desacreditar os muitos cépticos que contestavam a conclusão da Comissão Warren de que o presidente John F. Kennedy fora assassinado por um pistoleiro solitário chamado Lee Harvey Oswald, o qual por sua vez foi assassinado enquanto sob a custódia da polícia antes que pudesse ser interrogado. A CIA utilizou seus amigos nos media para lançar uma campanha a fim de tornar suspeições do relatório da Comissão Warren alvo de ridículo e hostilidade. Esta campanha foi «uma das iniciativas de propaganda de maior êxito de todos os tempos».

«Homenagem a Olga Benário Prestes, minha mãe»

ASEH-Lisboa - AT, 09/06/2016 - 22:31
[De Anita Leocadia Prestes] Por ocasião do 80.º aniversário da sua extradição para a Alemanha nazista

Com apenas 16 anos de idade, Olga, nascida em 1908, numa família abastada de Munique, Alemanha, saiu de casa para, junto com o jovem professor Otto Braun, seu namorado e dirigente do Partido Comunista, e sob a influência do ambiente revolucionário então existente em seu país, participar das lutas da juventude trabalhadora no distrito «vermelho» de Neukölln em Berlim. Membro da Juventude Comunista, devido à sua destacada atuação política, foi logo aceita nas fileiras do Partido Comunista da Alemanha (PCA). Em 1928, tornou-se conhecida pela decidida participação na libertação de Otto Braun, detido por «alta traição à pátria» na prisão de Moabit. Ambos tiveram suas cabeças postas a prêmio pelas autoridades policiais, sendo forçados a abandonar a pátria e fugir para Moscou. (Diário Liberdade)

«El Movimiento Pro Amnistía al hilo de la manifestación de Etxarri»

ASEH-Lisboa - AL, 09/05/2016 - 22:34
Los adalides del imperio, del capitalismo, del fascismo, no se conforman con matar a l@s pres@s lentamente. Buscan la indiferencia del pueblo y para ello necesitan callado a un movimiento como el nuestro.

Nos han querido callar para que no le contemos a la gente que los Estados español y francés están gobernados por asesinos que llevan puesta la careta del falso pacifismo. Asesinos de guante blanco que siguen en guerra y deciden en despachos de lujo y en comilonas pagadas con fondos públicos a quién y cómo matar.

No quieren que le contemos al pueblo que tras esos trajes y esas corbatas se esconde gente mediocre y cobarde que se encarga de matar despacito y protegidos por la opacidad del hormigón de las cárceles.

No quieren que contemos que los Estados español y francés llevan décadas chantajeando a l@s pres@s polític@s para conseguir su arrepentimiento, tratando de conseguir de boca de quienes más han dado la afirmación de que luchar no vale la pena, tratando de dominar y hacer desaparecer a un pueblo. / Ler: amnistiAskatasuna

A Guarda Civil carregou com violência em Etxarri [Ahotsa]

NOTA DE VÁRIOS EX-PRESOS IRLANDESES PARA A MANIF DE ETXARRI (ing / eus / cas)
[A mensagem não pôde ser lida no local / De Proinsias Brennan, Eamon Digney, Bernard Fox, Tomás Fox, Pauline Jackson, Rab Jackson, Gary Kearney, Fearghal MagUidhir, Marcus Prior, Martin Livingstone, Breige-Ann McCaughley, Michael Fitzsimons, Máire Drumm, Breandán Mac Cionnaith, Pádraic Mac Coitir, Liam McCotter, Seán McCotter]

Defesa de Otegi recorreu no TC contra a sua inabilitação

ASEH-Lisboa - AL, 09/05/2016 - 22:33
A defesa do líder independentista basco apresentou ontem à noite no Tribunal Constitucional espanhol (TC) um recurso com vista a reverter a decisão que o impediu de ser candidato às eleições autonómicas. O jornal Gara afirma que a questão foi parar à sala mais inclinada para o PP, que joga duro neste tema. Três dos cinco juízes foram nomeados por esse partido e o seu presidente militou no PP de 2008 a 2011.

Depois de o Tribunal de Donostia ter passado a batata quente, a defesa de Arnaldo Otegi apresentou no TC espanhol o recurso contra a sua inabilitação. Ali se decidirá se a retirada do sufrágio passivo terminou a 1 de Março deste ano, quando Otegi saiu da cadeia – como estipula a doutrina existente até agora –, ou se aceita a versão da Audiência Nacional espanhola, que prolonga a inabilitação até 2021.

Agora, a Procuradoria da AN espanhola dispõe de um dia para apresentar alegações, ou seja, até hoje ao fim do dia. Depois, o TC tem três dias para deliberar, pelo que uma decisão só deve ser conhecida na quinta-feira à noite, à beira da campanha.

Desde o início que o PP joga forte para manter o TC sob rédea curta. Ontem mesmo, dois altos representantes do partido - a secretária-geral, María Dolores de Cospedal, o candidato a lehendakari e líder na CAB, Alfonso Alonso - insistiram que não há debate, nem jurídico nem ético. Pablo Casado, vice-secretário de Comunicação, disse no início deste processo que «seria uma infâmia que o TC permitisse a Otegi candidatar-se». / Ver: Gara / Ver também: Berria

Michel Collon: «¿"Conspiracionista" yo?»

ASEH-Lisboa - AL, 09/05/2016 - 22:32
Cuando se critica a los dirigentes de EEUU, la UE o Israel, algunos agitan un espantajo: «¡Vosotros sois conspiracionistas!». Lo que debe sobreentenderse como: «veis el mal por doquier, pero estos dirigentes son demócratas; ciertamente pueden cometer errores, pero actúan con buenas intenciones». / Ver: investigaction.net

«Mais de cem mil contra Temer nas ruas de São Paulo»

ASEH-Lisboa - AL, 09/05/2016 - 22:31
Promovida pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, a manifestação deste domingo, em São Paulo, contra o governo de Michel Temer reuniu mais de cem mil pessoas.

Os manifestantes, que empunhavam cartazes e faixas em defesa da democracia e contra o golpe consumado no Senado Federal na semana passada, na sequência do julgamento político a que Dilma Rousseff, presidente eleita em 2014, foi submetida, exigiram a saída de Michel Temer do cargo e chamaram a atenção para a agenda anunciada, pelo seu governo, contra os direitos dos trabalhadores. (Abril)

«Argentina: El reclamo en la calle», de Gastón FIORDAZ (Prensa Latina)
En un acto que desbordó las expectativas de los organizadores -las dos Centrales de Trabajadores Argentinos- miles de argentinos mostraron su rechazo a las políticas de ajuste que impulsa el gobierno de Mauricio Macri, colmando la neurálgica Plaza de Mayo con una heterogénea composición de movilización.

Bajo el rótulo de 'Articulación Popular', centrales obreras, sindicatos con sus conducciones o bases, movimientos sociales, agrupaciones de pequeños productores, sectores medios industriales, grupos de izquierda, campesinos, rurales se hicieron presente para dejar bien en claro que los reclamos no tienen un solo rostro político.

También se dejó una consigna a futuro: la unidad del campo popular no se negocia, 'porque esa unidad para la lucha, por la liberación y la justicia social [nos hará] invencibles', sentenció Hugo Yasky, titular de la CTA de los Trabajadores, en uno de los pasajes más vitoreados de los discursos. [Fotos: «Miles de personas se congregan en Plaza de Mayo para rechazar ajustes de Macri» (Resumen Latinoamericano)]

Pagine

Abbonamento a Askapena aggregatore - EH Lagunak (pt)
randomness